Pesquisar este blog

domingo, 6 de março de 2016

Não adianta pedir ajuda a quem não tem ajuda para dar.

Todos sabemos que viver em sociedade implica em aceitar as diferenças. Uns são mais fortes, outros mais fracos, alguns são ricos, outros muitas vezes não têm o mínimo necessário para sobreviver. Há os que gozam de perfeita saúde e os que enfrentam enfermidades, os que são felizes e realizados e os que são obrigados a aceitar a vida como ela é.
Muitos dizem que estas diferenças fazem parte da vida, mesmo sabendo que estão em desacordo com aquela máxima religiosa que diz que Deus criou a tidos iguais. Mito ou verdade, o que resta a todos é acreditar que, apesar de todas as inegáveis diferenças, possa existir uma coisa chamada solidariedade. O que, em tese, é o mais forte doar ao mais fraco para que todos possam completar a caminhada juntos.
Infelizmente, isso ainda é uma utopia. Estamos longe do dia em que os mais fortes, isto é, os mais ricos olharão com benevolência para aqueles que não têm o básico para viver. O que move o mundo é o dinheiro e o que vemos é aqueles que têm muito ambicionarem muito mais, mesmo sabendo que isso só faz aumentar o desequilíbrio da balança.
Insensíveis aos apelos, aos gritos dos que sofrem os mais ricos continuam vivendo suas vidas de luxo e ostentação. Foi-se o tempo em que se podia contar com o "lado cristão" das pessoas, a partir do "amai o próximo como a ti mesmo!. A teologia da prosperidade ensina que o importante é ter, ela não ensina seus seguidores a doar, a dividir, a amparar aqueles não gozam da mesma sorte.
Por isso, não adianta esperar ajuda de quem não tem ajuda para dar, de quem não tem a capacidade genuína de ser solidário. E isso não se refere apenas a ajuda financeira.  Essa ajuda pode ser um simples ato de abrir uma porta para um deficiente ou ajudá-lo a atravessar a rua. Também pode estar presente em atitudes de cortesia, gentileza que prestamos aos outros sem que haja mesmo necessidade.
E isso que se espera das pessoas: que elas sejam gentis sem precisar esperar que o outro clame por essa gentileza, que isso faça parte da natureza de cada ser humano. Do contrário, não adianta pedir ajuda a quem não tem ajuda para dar, a quem não traga a sementinha do amor ao próximo dentro de si. Com certeza, essa pessoa permanecerá insensível levando a sua vida egoísta e medíocre.

Bom domingo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário