Pesquisar este blog

domingo, 26 de março de 2017

A mosquinha do egoísmo.

Resultado de imagem para imagem para a mosquinha do egoísmoComo você é quando o assunto é o outro? Você é daquele tipo de pessoa que quer tudo de bom para si e quando o assunto é uma outra pessoa acha que "qualquer cosia" está bom? É bem provável que você não seja assim. Aliás, acho que no fundo todos nos esforçamos bastante para sermos pessoas de bem e só ter bons pensamentos e boas atitudes. No entanto, ninguém está livre de uma hora ou outra ser picado pela mosquinha do egoísmo. E nesses momentos acontecem alguns deslizes. Vemos o outro como alguém menor que nós e com necessidades inferiores às nossas.
Um exemplo comum disso são as relações de patrão e empregado. É comum os patrões acreditarem que seus empregados não precisam ter bons vencimentos no final do mês porque eles não têm as obrigações que eles julgam ter e podem, por exemplo, comer uma comida inferior, morar num lugar distante e inadequado. Outro exemplo disso é a relação do governo com o povo, sobretudo com as populações mais pobres. Parece que eles veem essa parte da população como pessoas sem muito valor e que podem ficar expostas às intemperes da vida.
Sabemos que essa é uma visão torpe. Todos nascemos com os mesmos direitos e deveres, não é mesmo? Trazendo isso para nossa vida espiritual, parece que não agimos de forma diferente. Tem muita gente que pede a Deus ou aos santos o melhor para si, mas não deixa de pedir má sorte para aquela pessoa que anda importunando a sua vida. Justificam que fazem isso para se defenderem. Afinal de contas elas estão sendo atacadas e não podem ficar de braços cruzados. 
Será que isso procede? Jesus ensinou que quando baterem em um lado de nossa face, devemos dar o outra para baterem também. Esse ensinamento parece assustar muito as pessoas. Quem ouve isso logo diz: "Mas se eu agir assim vão me chamar de bobo e fraco".  Estamos mais preocupados com o que vão pensar de nós do que dar um passo adiante em nosso crescimento.
Não revidar uma agressão ou insulto é, pelo contrário, sinal de força e firmeza espiritual. Ninguém precisa "dar a outra face" literalmente falando e sim perdoar o agressor e seguir a sua vida e sempre que possível desejar o melhor para todos com os quais convive, amigos ou inimigos, seja em casa, na rua, no trabalho, no lazer e em todo lugar..

Bom  domingo.


sábado, 25 de março de 2017

Faça você mesmo.

Resultado de imagem para imagens de faça voce mesmoA cada dia a vida está mais e mais automatizada. Muitas coisas que dependíamos de ajuda ou mesmo do serviços de outras pessoas para fazer já fazemos sozinhos. Exemplos dessa automatização da vida não faltam. Houve dia, não faz muito tempo, que para fazer uma ligação telefônica você precisava da ajuda de uma telefonista e hoje muitos nem lembram que um dia essa profissão foi tão importante. Outro exemplo é a nossa relação com os bancos: a figura do bancário está cada dia sendo substituída pelo autoatendimento.
Se por um lado estamos cada vez mais independentes, e isso é muito bom, apesar do fato de vermos as máquinas ocuparem o lugar dos trabalhadores causando o aumento do desemprego, por outro tem está surgindo uma visão de que as pessoas nada devem fazer. Tem sempre alguém (no caso, as empresas) se oferecendo para fazer as tarefas no seu lugar. 
A impressão que se tem é que o ser humano veio ao mundo para descansar e, qualquer tarefa, por mais banal que seja, é vista como um trabalho hercúleo e deve ser feita por outra pessoa para que você fique livre daquele "transtorno". O estranho de tudo isso é que se oferecem para fazer tudo por você, desde que você continue trabalhando ou tenha o dinheiro para pagar pelo serviço. Vale  lembrar que, apesar de todo esse oferecimento e essa boa vontade em te proporcionar descanso, ninguém faz nada de graça. Pelo contrário. Essas "facilidades" não costumam sair baratas. Ou seja, você vai ter que continuar trabalhando. Até porque facilidade também tem limite, não é?
Por isso, se levarmos em conta a automatização da vida nos nossos dias, isso parece um contrassenso. Se estamos caminhando para cada dia ficarmos mais e mais independentes eletronicamente falando, temos que estender essa independência a outros seguimentos de nossas vidas, não é mesmo? 
Isso acaba refletindo em nossa vida espiritual. Embora vivamos em comunidade, devemos trilhar o nosso caminho com nossos próprios pés. Não podemos delegar a outra pessoa o nosso desenvolvimento e crescimento espiritual. Ele é de nossa responsabilidade. Não há como terceirizar essa tarefa. Não adianta pagar para alguém orar por nós ou mesmo jogar a nossa responsabilidade pelo que nos acontece nas mãos dos santos, guias religiosos ou mesmo de Deus.
Portanto, deixe de lado a preguiça e cuide você mesmo de sua vida espiritual. Basta seguir a sua intuição. Ela é o seu guia.

Bom final de semana.

domingo, 19 de março de 2017

O que falam de você não é o que você é.

Resultado de imagem para imagem para o que falam de você não é o que você éNinguém está livre de ser vítima de fofoca, intrigas e disse me disse. Quem vive em sociedade tem que estar preparado para esse tipo de coisa. De uma hora para outra você se vê no meio de uma confusão e, geralmente, é muito difícil livra-se dela. Muitos acabam ficando, como se diz no popular, falados ou com o nome sujo na praça.
Principalmente levando-se em conta o popular "onde há fumaça há fogo", ou seja, a chance de todo mundo acreditar que aquela fofoca é verdadeira, é muito grande. Infelizmente, as pessoas preferem acreditar no pior. Se alguém diz que você é uma boa pessoa e que é capaz de gestos de compaixão e altruísmo quase ninguém leva a sério, mas se falam o contrário o assunto logo se espalha independente de ser verdade ou mentira. 
Depois da fofoca espalhada não adianta querer brigar. O jeito é ficar quieto no seu canto e esperar que o assunto morra por si mesmo. Além disso, é preciso sempre manter em mente que você é o que você é e não o que dizem que você é. É preciso estar sempre atento a isso. O que falam de nós é uma visão que as pessoas têm de nós e não o que realmente somos.
Não acredite que pelo fato de alguém falar mal de você, você é mesmo mau. É claro que sempre existe a chance de estarmos passando uma ideia falsa ao nosso próprio respeito e isso é muito comum. No entanto, é também comum que as pessoas projetem em nós as seus medos, frustrações e, acima de qualquer coisa, os seus preconceitos.
O preconceito é grande responsável por ideias erradas que fazemos das pessoas. É quando julgamos as pessoas não pelo que elas são, mas pela sua aparência. Isso é o mesmo que julgar um produto pela sua embalagem esquecendo que o que vale mesmo é o conteúdo.
Portanto, partindo daí, não devemos dar muita atenção ao que falam de nós por aí. Sobretudo, quando nos conhecemos o bastante para saber que aquilo não é verdade  É muito importante ficar atento ao tipo de imagem que as pessoas fazem de nós, mas também é igualmente importante conhecermos a nós mesmos o bastante para não nos deixar levar. Afinal de contas, ninguém nos conhece melhor que nós mesmos.

Bom domingo..

sábado, 18 de março de 2017

Não culpe os outros pelos seus problemas.

Resultado de imagem para imagem para não culpe os outros pelos seus problemasÉ bem provável que não existam pessoas no mundo que não tenham problemas. Principalmente partindo do fato de que o ser humano é bastante eficiente neste quesito. Mesmo quando não há problema algum, nós os criamos. Há quem diga que não conseguimos viver se não estamos reclamando de alguma coisa. Trocando em miúdos, somos insatisfeitos por natureza.
Ao mesmo tempo, a nossa especialidade em buscar os culpados por nossos problemas mão é pequena. Adoramos listar as pessoas e coisas que nos fazem infelizes. Se tal pessoa te deixasse em paz, você não teria tal e tal problema, se você conseguisse tal soma de  dinheiro e tal coisa, todos os problemas estariam resolvidos. É isso que as pessoas vivem dizendo. 
No entanto, a tal pessoa sai da vida delas, elas conseguem aquela soma de dinheiro tão necessária para comprar todas aquelas coisas e a infelicidade continua a mesma. Em muitos casos até aumenta. ou dá lugar para outras necessidades e outros problemas. Ou seja, os problemas e as insatisfações continuam lá. Parece que fazem parte do nosso ser e que nunca vão nos deixar em paz. 
O que fazer diante dessa situação? A maioria entra em desespero e começa a ver culpados por toda parte. Todos se uniram para acabar com sua paz e sossego. Alguns chegam mesmo a dizer que o mundo está contra elas. Não é preciso dizer que esse tipo de pensamento e atitude não levam a lugar nenhum e só faz aumentar os problemas, não é? 
A saída é o autoconhecimento. Não adianta culpar as pessoas e o mundo pelos seus problemas. Eles existem porque você os criou e se você tem a sensação de que eles aumentam a cada dia é porque a cada dia você dá mais e mais importância a eles. Esqueça os problemas e eles vão perder a sua intensidade e logo desaparecerão.
Passe a ver o mundo através de uma ótica diferente. Pare de se sentir a vítima de tudo isso que está aí, porque na verdade você é a pessoa que faz essa roda girar. É você que regula a velocidade da roda e em qual direção ela vai girar. Quando nos conhecemos melhor descobrimos que podemos influenciar positiva ou negativamente no nosso destino e no destino do mundo em que vivemos. 
Perdoar aqueles que julgamos nos terem feito algum mal pode ser um caminho para apaziguar o nosso coração e com o coração em paz passamos a ver o outro e o mundo que nos cerca de um modo mais agradável. Experimente examinar as suas atitudes e verá que você também faz coisas que condena nos outros. Ao tentar mudar de comportamento descobrirá que o outro também estava esperando que você sinalizasse com a bandeira branca da paz  e que isso só dependia de você.

Bom final de semana.

domingo, 12 de março de 2017

O carma.

Resultado de imagem para imagem de carmaMuito se fala a respeito das ações do carma sobre as vidas das pessoas. Há quem acredite que se trata de pura bobagem importada de religiões que acreditam em reencarnação e vida após a morte e que não têm nada a ver com os cristãos que, em princípio, não acreditam em vida após a morte e que as pessoas têm direito à uma segunda chance para reparar os seus erros, mas há quem leve isso bem a sério.
E o que é o tão falado carma e como se adquire? O carma,  popularmente falando, são a encrencas que arrumamos com nós mesmos e com as pessoas com as convivemos (parentes, vizinhos, patrões, empregados, maridos, esposas, amigos etc) e não conseguimos resolver antes de deixar este mundo..  Essas"encrencas" mal resolvidas nos acompanham vida após vida e são a causa dos muitos problemas que enfrentamos no nosso dia a dia.
É por isso que nunca conseguimos entender por que não gostamos de algumas pessoas que aparentemente nunca nos fizeram mal ou gostamos de alguém de graça sem que ela, aparentemente, nunca nos tenha feito nada de bom. Nesse caso, trata-se de um carma bom, A pessoa de quem você gosta de graça te fez uma boa ação em outra vida. O que prova que não existe apenas carma ruim, mas também o carma bom.
O problema é que o carma bom não incomoda e acaba passando despercebido. O carma ruim, pelo contrário, nos incomoda muito. É esse incômodo que nos leva a fazer com ele aumente cada vez mais. Ao toparmos com nossos desafetos de outras vidas, geralmente agimos na defensiva ou em busca de vingança, o que só piora a situação.
Geralmente, entende-se como carma todas aquelas ações que nos acontecem de forma repetida e diante das quais temos sempre a mesma reação. Trocando em miúdos, seria aquele buraco que nós sabemos que está lá e do qual, por alguma razão inexplicada, não conseguimos nos desviar. Só depois que caímos que nos lembramos que sabíamos de antemão que ele estava bem à nossa frente.
Em outras palavras, carma é toda aquela dificuldade que nós temos que vencer para poder seguir adiante. O problema é que demoramos muito para entender isso e caímos sempre no mesmo "buraco" independente dos avisos. Para vencer nossos carmas, quase sempre, temos que vencer a nós mesmos através do auto perdão e do controle do ego. 

Bom domingo.

sábado, 11 de março de 2017

Ressurreição ou reencarnação?

Resultado de imagem para imagem para ressurreição ou reencarnaçãoHá uma grande discussão entre as religiões, sobretudo liderada pelas igrejas cristãs e os espiritualistas, no que diz respeito à ressurreição e reencarnação. De um lado, os cristãos acreditam que, a exemplo do que aconteceu com Jesus Cristo, as pessoas ressuscitam após a morte e vão passar o resto da eternidade gozando das benesses ou dos malefícios conseguidos durante a sua passagem pela terra.
Nesse tipo de pensamento, as pessoas nascem apenas uma vez e depois da morte têm três opções: o inferno, para os que têm mau comportamento e não têm mais salvação; o purgatório, para aqueles que não se comportaram tão mal assim, mas que ainda estão longe de ser um exemplo a seguir, e o céu, que é o lugar para onde vão aqueles que tiveram conduta e comportamento exemplar.
Pelo outro lado, os que acreditam na reencarnação acreditam que a pessoa nasce várias vezes até atingir a iluminação e não mais precisar encarnar nesste mundo. Os adeptos da reencarnação acreditam também que vivemos sobre a ação do carma, que nada mais é que o registro das nossas ações durante a vida. Aquilo que fazemos de bom e, principalmente, de ruim durante o tempo que passamos na terra.
Esses acontecimentos, os "carmas", ficam registrados em nossa "folha corrida" e toda vez que reencarnamos nos deparamos com eles até resolvê-los de vez. Isso pode levar uma vida ou muitas vidas. Tudo vai depender da nossa capacidade de superar os problemas e esquecer as mágoas e dores que nos causaram ou as mágoas e dores que nós causamos aos outros.
Nesse ponto, ressurreição e reencarnação concordam. As duas ensinam que a única forma que temos de resolver os nossos problemas é através do perdão. Não somente perdoar o outro, mas, acima de qualquer coisa, perdoar a nós mesmos. Só assim podermos nós livrar dos nossos pecados (para os crentes em ressurreição) e carma ( para o que acreditam em reencarnação.
Outro ponto de convergência das duas formas de pensamento é a questão da vida após a morte. As duas acreditam em vida após a morte. A diferença é que para os cristãos a vida após a morte é estática. Quase nada pode ser mudado após a morte, apenas os que vão para purgatório têm a oportunidade de subir ou descer de vez, e para os que professam a reencarnação, na vida após a morte as mudanças são, mais que tudo, necessárias.
Independente de acreditar em ressurreição ou reencarnação, segundo os seguidores dessa última corrente de pensamento, qualquer um pode sofrer as ações do carma durante a sua vida, queira ou não queira. Afinal, trata-se de uma das leis universais, aquelas a que, segundo os esotéricos (para falar de uma forma geral), estamos todos sujeitos. Ou seja, não há como escapar. Mas essa é uma outra discussão.

Bom final de semana.

domingo, 5 de março de 2017

Nosso maior inimigo

Resultado de imagem para imagem para nosso maior inimigo, nós mesmosA crença de que existe um (há quem acredite que tenha vários ou mesmo os veja em todo canto) inimigo sempre agindo pelas nossas costas é grande. Ninguém escapa de, em algum momento, culpar esse "inimigo" por todos os problemas que enfrenta na vida. Muitos sabem o nome e o endereço desse inimigo e se pudessem o destruiria sem dó nem piedade para só então poder viver suas vidas em paz e com tranquilidade. 
Esse é o sonho dourado de todos: viver num mundo repleto de paz e amizade por todos os lados. Se possível, sem precisar "destruir" ninguém para isso, não é mesmo? O problema é que a coisa não é bem assim. Nem sempre esse "inimigo" é aquela pessoa que está vez por outra atravessando o nosso caminho e causa alguns estragos.
Não se pode negar que existem alguns "espíritos de porco" por aí, mas o grande "inimigo", aquele que não nos deixa seguir em frente e está sempre nos fazendo marcar passo na vida, somos nós mesmos. Nós somos, sem sombra de dúvida o nosso maior e mais feroz inimigo. Somos nós que atrapalhamos a nossa própria vida ao insistirmos em manter um padrão vibratório que só nos leva para o fundo do poço.
Mantemos os olhos fechados para todos os sinais que a vida nos envia a todo momento. Não damos ouvidos aos chamados da vida nem abrimos mão do nosso ego. É o nosso ego que nos faz ver inimigos por todo lado e não nos deixa entender de uma vez por todas que não precisamos ter razão o tempo todo, que a nossa opinião não é a mais acertada e muitas vezes nem é necessária. 
Portanto, se quisermos pacificar o mundo à nossa volta devemos começar pacificando a nós mesmos. Em primeiro lugar acabando com as nossas paixões, nossas raivas, invejas, mágoas e ressentimentos. Sentimentos que agem como verdadeiros inimigos e que moram dentro de nós e são alimentados todos os dias através dos nossos pensamentos negativos.
Deixamos de ser nosso "inimigo" a partir do momento em passamos a cultivar sentimentos de amor, perdão e compaixão por todos aqueles que nos rodeiam. Quando decidirmos alimentar esses sentimentos dentro de nós, não teremos mais inimigos, eles se tornarão todos companheiros de jornada.

Bom domingo.

sábado, 4 de março de 2017

A oração do "Pai Nosso" e o perdão.

Resultado de imagem para i magem para a oração do pai nosso e perdãoAcredito que não exista quem, cristão ou não, que não conheça a oração do "Pai Nosso". a oração que Jesus nos deixou antes de voltar para junto do Pai. Ela é, sem sombra de dúvidas, a oração mais conhecida dos cristãos e também a mais rezada. A qualquer momento, basta alguém propor que se reze uma oração e ela é recitada por todos sem medo de errar. Afinal de contas, todo aprende a rezá-la desde criança.
No entanto, apesar de muito rezada, ela é muito pouco levada a sério. Nela, entre outras afirmações e pedidos, clamamos ao Pai do céu que perdoe as nossas ofensas (pecados) assim como perdoamos a quem nos tenha ofendido, ou seja, aqueles que pecaram contra nós causando-nos dor, sofrimento e outros tipos de constrangimentos.
Infelizmente, poucos, apesar de rezar essa oração com todo fervor, cumprem a promessa feita. Nesse caso, ela não passa de um mero conjunto de palavras sem muito sentido prático em nossas vidas. Para que isso mude, temos que passar a pensar mais naquilo que a oração diz, no real sentido de suas palavras.
Não devemos esquecer que ela é, antes de tudo, uma oração na qual condicionamos o perdão para os nossos pecados à disposição de perdoar os pecados dos nossos irmãos. Esse é o seu verdadeiro sentido. Se não perdoarmos as ofensas que sofremos, as ofensas que fazemos. não só a Deus, mas a todos que nos rodeiam, não serão perdoadas.
E não adianta pensar que pedindo perdão a Deus está tudo resolvido. Ao rezar confessamos que temos plena consciência daquilo que estamos falando, ou seja, se não cumprimos com a nossa palavras estamos "pecando" mais ainda.
Apesar de a doutrina cristã, não importa o seguimento que seja, ser a doutrina do amor e do perdão, estamos longe de levar isso ao pé da letra. Vivemos num mundo de ódios, mágoas e rancores profundos. Parece que não somos capazes de amar como Jesus amou e viver como Jesus viveu simplesmente porque achamos muito difícil perdoar e amar a todos como a nós mesmos.
Porém, essa é a condição imposta àqueles que se prontificam a seguir o cristianismo: perdoar e amar ao próximo. Sem isso, continuaremos a rezar a oração do "Pai Nosso" sem nunca atingir o nosso objetivo: o perdão para as nossas faltas. Temos também que perdoar as faltas (ofensas) dos nossos irmãos. Sem isso, nada feito. Continuaremos sempre na escuridão.

Bom final de semana.