Pesquisar este blog

sábado, 4 de setembro de 2010

Esse meio de transporte chamado elevador

     Para começo de conversa, eu vou confessar uma coisa: eu não gosto de elevadores. O ideal seria sair do meu apartamento voando, mas eu não tenho asas... Restam as escadas, mas como eu moro num oitavo andar fica difícil abrir mão completamente do elevador. Ainda mais que as escadas dos prédios (o meu particularmente) parecem que não foram feitas para serem usadas com muita frequência. Elas são escuras, íngremes. entulhadas de tralhas (geralmente lixo, móveis, caixas, etc), o que desaprova seu uso constante. Mesmo assim, sempre que posso faço uso delas para espanto de muitos, sobretudo do porteiro. Ele não entende como eu posso abrir mão do "conforto" de subir pelo elevador sem fazer esforço algum para subir ou descer pelas escadas.
     Pode ser que você more numa casa, sempre morou, sempre vai morar e nunca vai precisar usar esse útil, prático, porém, nada confortável meio de transporte chamado elevador. Eu sei que você pode achar estranho esse tipo de conversa. Mas falando sério, você acha normal todos os dias, por várias vezes, entrar numa caixa apertada (raramente são largos) sem grandes atrativos (só os fatídicos espelhos que são para dar a impressão de que você tem um sósia) acompanhado de pessoas que, por mais que você as encontre todos os dias, não passam de estranhos e, como você, tudo o que querem é ganhar a rua o mais rápido possível e se livrar daquele incomodo? Pode dizer que acha normal, eu não vou estranhar nem um pouco. Afinal de contas, esse de tipo de invenção existe para facilitar a vida de todos e como os prédios estão ficando cada vez mais altos é pouco provável que algum dia eles deixem de existir.
     Sei que a essa altura você deve estar pensando que eu sou um daquele tipo que morre de medo de andar nesse referido meio de transporte, mas não. Eu não tenho medo de elevador. Pelo contrário, acho que é uma bela invenção. Só que para ser usado sozinho ou acompanhado apenas por pessoas conhecidas. O que, para mim, torna o elevador um meio de transporte inviável é justamente o fato de que você está sempre acompanhado por alguém que você não conhece ou conhece muito pouco e numa proximidade muito grande, que quase beira a intimidade.
     No elevador você fica tão próximo das pessoas que praticamente sente a sua respiração, seus batimentos cardíacos, seus odores, o que gera muito desconforto. Não fosse isso, têm ainda os diálogos travados durante a "viagem". Geralmente começam com um "bom dia", "boa tarde" ou "boa noite" que se não for respondido em alto e bom som  imediatamente leva o "educado passageiro" a repetir o cumprimento em voz mais alta e forte ou protestar classificando você de grosso e mal educado. Essa regra de responder ao cumprimento não pode ser quebrada em hipótese nenhuma. Cumprimentos mais descontraídos como "oi" ou "olá" são terminantemente proibidos e não são respondidos. Fica como se você não tivesse dito nada, ou seja, você é grosso e mal educado mesmo.
     Depois disso passamos aos comentários gerais. Aqui se passa a falar do jogo de futebol, do capítulo da novela, do tempo ("Parece que vai chover..." "É parece..." Se está um dia de sol o comentário passa a ser a praia e se o passageiro (a) pode ou não curtir aquele dia... "É duro a gente ser trabalhador(a)...") Não importa o quanto você se interesse se vai chover, se o capítulo da novela foi emocionante ou não, se o Flamengo (sempre ele) ganhou ou perdeu, os comentários vêm e se você não falar qualquer coisa pode até ser atirado fora do elevador. Ou seja, esse meio de transporte tem regras claras. Não se entra num elevador assim de qualquer jeito, é preciso seguir as regras. Pensa que é só aquela história de elevador de serviço, conduzir bicicleta, andar sem camisa, roupa de banho... As regras vão muito além disso.
     Agora, o que me incomoda  mesmo são as conversas de elevador. Aquelas em que os interlocutores falam de assuntos que são apenas do conhecimento deles numa conserva interminável cheia de detalhes, ignorando a presença das outras pessoas. Isso é a morte. Fico imaginando que essas pessoas deixam todos os seus assuntos para tratar dentro do elevador e, uma vez fora deles, nada mais têm para conversar. Ou vai ser que elas só se encontram no elevador. Isso quando não estão ao celular, aí prepare para saber toda a vida do passageiro com direito a xingamentos, impropérios, etc.
     Diante disso, tomei a decisão de, nesta eleição, só votar no candidato que representar a classe dos "passageiros de elevador".