Pesquisar este blog

domingo, 24 de agosto de 2014

A divina providência.

     Em parte devido à uma frase que teria sido proferida pela, agora,  candidata à presidência da república nas próximas eleições, Marina  Silva, muito se falou nos últimos dias em "divina providência". Até aí nada de mais. Afinal de contas, é muito bom saber que temos uma força maior cuidando de nós e nos livrando dos percalços da vida, não é mesmo?
     Marina   Silva mostrou-se  sentir uma privilegiada por ter sido poupada do trágico acidente que pós fim à vida do candidato Eduardo Campos e seis outras pessoas. Mais uma digo que isso nada tem de mais. A vida é mesmo para ser comemorada.
     Só que isso acaba soando estranho. E aí vem um monte de perguntas: que divina providência é essa que poupa uns e não os outros? A mesma "divina providência" não  poderia ter agido de forma igual com os outros ocupantes do avião?
     Sim e não. A vida não é tão simples quanto pode parecer. Nem a morte é essa coisa terrível que nos faz sentir afortunados por ter-se livrado dela.  A fala da candidata está carregada de ignorância e grosseria. Porque é preciso acreditar que Deus, ou a divina providência, aja de maneira tão cruel com uns e livra outros do mesmo fim.
     Ao mesmo tempo é preciso pensar nos familiares das vítimas e pensar o quanto é difícil para eles ouviram ou verem alguém comemorar o fato de não ter entrado num avião ou estado no local de uma tragédia que em que perderam seus entes queridos. No caso, eles podiam dizer que a "divina providência" deixara seus parentes "na mão".
     Não existe privilegiados ou não. O que existe é que alguns precisam passar por determinados caminhos num certo momento e outros não. Cada um de nós tem a sua história. Às vezes essa história segue por linhas diferentes. Enquanto alguns encerram sua caminhada, outros ainda precisam seguir por mais algum tempo.
     Não há privilégio em continuar no mundo ou em sair dele. O único privilégio que existe é que todos somos filhos de Deus e que Ele nos protege a todos. Mesmo quando pensamos que fomos abandonados à nossa própria sorte.

Bom domingo.