Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Felicidade existe?

     Quando faziam essa pergunta para Elaine, ela fatalmente respondia que não. E não era um não baixinho, envergonhado ou indeciso. Era um não para acabar com qualquer dúvida possível. Essa pergunta era comumente feita a ela porque, visto de fora, ela parecia ter o que podemos chamar de uma vida perfeita: era bonita, bem casada, um casal de filhos, uma boa casa; ela e o marido eram formados ela, professora, ele, engenheiro. Os dois eram muito queridos dos familiares e amigos, chegavam a exercer uma certa liderança sobre todos e eram vistos como exemplos de pessoas bem sucedidas, casal apaixonado, filhos bem educados, enfim, uma vida que muitos pediram a Deus.
     O ceticismo de Elaine assustava um pouco. Era difícil acreditar que uma pessoa de certa forma abençoada por Deus, tivesse aquele tipo de visão da vida. Para ela tudo o que tinha conseguido na vida foi por seus méritos e esforços. Aquilo que todos chamavam de sorte, felicidade ela via apenas como resultado do seu trabalho. Segundo ela, tudo em sua vida tinha sido planejado. Desde criança ela planejou ser professora de português, disciplina em que sempre se considerou péssima, por isso decidiu estudar para aprender e acabou tornando-se doutora na língua. Doutorado para não ser uma professora qualquer, mas alguém com grande conhecimento. Elaine escreve livros sobre a língua portuguesa e é muito conhecida. 
    No casamento não foi diferente. A primeira vez que viu Paulo, ela decidiu que ele seria seu marido. Viu nele as características do homem com o qual queria casar e criar os seus filhos. Paulo nem a notava, envolvido com outras garotas, mas ela foi em frente e não demorou muito e eles estavam casados. Os filhos também foram planejados: um menino e uma menina. Nasceram Paulinho e Flávia.
     A casa com piscina, churrasqueira e tudo que uma família de classe média pode sonhar, o carro (na verdade, "os"), as viagens para o exterior, o doutorado para ela nada aconteceu por acaso. Pelo menos, ela pensava assim. Ela não acreditava em acaso, acreditava em planejamento, trabalho, dedicação. Era o que se pode chamar de uma pessoa pragmática.  De vez em quando ela gostava de lembrar o passado. Recordava a casa dos pais muito pobres, os seis irmãos... Ela foi a única a estudar. Estudou em colégios públicos, com esforço entrou na universidade. Chamava atenção para esse nosso contra senso: os alunos das escolas públicas geralmente não conseguem entrar para as universidades do governo, mas ele conseguiu. E da primeira vez.
    A vida de Elaine ia como ela desejava e planejava até que o destino lhe pregou uma peça. Algo que ela não planejou aconteceu. Numa tarde de sábado o telefone tocou e do outro lado uma voz:
- A senhora é dona Elaine?
- Sim. - respondeu ela, distraidamente.
- É que aconteceu uma coisa... Seu filho Paulo, ele foi assaltado.
- O que? Onde está meu filho? Quem está falando? Deixa  eu falar como meu filho. Passa o telefone para ele. - disse ela, com a autoridade de sempre.
- Eu sinto muito, dona Elaine. Seu filho está morto.
Naquele momento, Elaine sentiu seu mundo desabar. Aquilo não poderia ser verdade. Afinal, ela planejara um futuro brilhante para o filho. Ele ainda tinha que se formar, casar, ter filhos, ganhar muito dinheiro, ser um homem bem sucedido. Não poderia morrer assim de uma hora para outra mal começando a vida, sem mais nem menos.
     Porém, não teve outro jeito: Elaine, juntamente com o marido, Paulo, e a filha, Flávia tiveram que enfrentar a realidade: um bandido fortemente armado roubou o carro de Paulinho e, não satisfeito, atirou contra ele, covardemente, à queima roupa. Segundo as testemunhas, o bandido já estava de posse do carro quando efetuou os disparos contra Paulinho, que não ofereceu nenhum tipo de resistência. Parecia agir movido por raiva, ódio; Não como quem quisesse somente roubar um carro.
     A vida de Elaine e sua família sofreu uma forte transformação. Aquela mulher determinada, com um olhar sempre à frente, deu lugar a uma mulher triste e saudosa do tempo em que vivia feliz com os filhos e o marido. Como forma de extravasar sua dor, Elaine participou de passeatas, protestos, jurou que lutaria até o fim para que o assassino de seu filho passasse o resto de seus dias na prisão. O ódio e o ressentimento tomaram conta de sua vida. Elaine passou a viver para vingar a morte de seu filho. Abandonou o trabalho e a família. Quando deu por si o seu casamento já tinha acabado, sua filha tinha saído de casa e os amigos, antes tão próximos, tinham desaparecido. Elaine estava sozinha.
     Na sua solidão ela descobriu que a felicidade realmente existia e ela tinha sido muito feliz quando seu filho estava vivo e todos viviam confiantes e harmoniosamente. Agora sabia que aquilo que ela achava que era apenas fruto de seu planejamento era na verdade felicidade em estado puro. Agora tudo aquilo tinha acabado. Elaine lamentava não ter aproveitado mais aqueles momentos e quanto mais pensava nisso, mais ódio sentia do assassino do filho.
    Um dia Elaine teve uma ideia um tanto absurda. Resolveu ir até o presidio onde estava o assassino de seu filho. Queria olhar frente à frente para ele, interrogá-lo, saber por que ele destruíra a vida de seu filho e a sua própria. Teve dificuldade para conseguir seu intento, pois todos achavam aquilo fora de propósito. Não tinha cabimento ela fazer aquilo. Determinada, ela acabou conseguindo. Chegou o dia, e lá foi ela. Quando bateu os olhos no rapaz, ela não pode acreditar: ele era tão jovem quanto seu filho e por um momento ela chegou a pensar que estava reencontrando o seu Paulinho. Todo o seu ódio veio por terra. Ela que planejava partir para cima dele, dizer aquilo que estava preso em sua garante desde o assassinato do filho sentiu vontade, não de maltratá-lo, mas de dar-lhe um abraço apertado e chamá-lo de filho.
     Sem dizer nenhuma palavra Elaine saiu porta à fora. No caminho de volta para casa, sentia-se mais leve. Chegou em casa e, depois de muito tempo, dormiu um sono reparador. Durante o sono teve um sonho com o filho. No sonho ele estava abraçado com o seu assassino. Sorrindo, o filho lhe pedia que perdoasse aquele rapaz e acrescentava:
- Tudo faz parte de um plano infinitamente maior.
Quando acordou, Elaine tomou uma decisão que chocaria a todos: voltou ao presidio, teve uma longa conversa com o rapaz, coincidentemente também Paulinho, onde se inteirou de toda a vida rapaz: ele tinha vinte e dois anos, a mesma idade que seu filho teria, vivia com uma garota e tinha  uma filha. A partir daquele dia, Elaine os tomou como sua família. Aquele rapaz. antes o assassino cruel de seu filho, agora tomava o seu lugar.  Assim ela retomou sua vida e quando perguntada já consegue responder:
 - Sim, felicidade existe.