Pesquisar este blog

domingo, 29 de janeiro de 2017

Somos todos irmãos.

Resultado de imagem para imagens somos todos irmaosResultado de imagem para imagens somos todos irmaosApesar de todas as provas que temos a todo momento de que somos todos filhos do mesmo Deus e sujeitos às mesmas coisas, ainda insistimos em acreditar que vivemos num mundo dividido por castas: de um lado os ricos e os remediados, do outro os pobres e os miseráveis. 
Parece que isso foi estabelecido por alguma força maior, alguma lei suprema. Aqueles que vivem no alto da pirâmide não dignam olhar para aqueles que estão na parte inferior, vivem no seu luxo e opulência alheios ao que passa lá mais embaixo.
 Realmente não existe lei que obrigue aquele que tem mais ajudar o que tem menos. Acredita-se que os que têm mais é porque trabalharam por isso e aqueles que têm menos ou quase nada é porque não trabalharam ou fizeram igual esforço. Sabemos que isso não é verdade. É comum o pobre trabalhar de sol a sol e não ganhar o suficiente para o seu sustento e o sustento dos seus dependes.
A pobreza e a miséria estão por todo canto. As ruas estão repletas de miseráveis. Basta dar uma volta pela sua rua, seu bairro, sua cidade. Só não vê quem não quer. Por outro lado, nunca se deu tanto importância às aparências e ao status, nunca as pessoas se exibiram tanto e se mostraram tanto como nesses nossos dias. Estaríamos ficando exibicionistas insensíveis e desumanos ao ponto de não mais nos comovermos com as dores e as necessidades daqueles que estão à nossa volta.
Muitos preferem dar o nome de destino ou carma aos sofrimentos alheios. Para eles, cada um de nós nasce com o nosso caminho traçado e que ninguém consegue fugir disso. Pode até ser. Mas será que aqueles que vieram a esse mundo com um pouco mais não podem ajudar aqueles que não tiveram a mesma sorte? Será justo deixar crianças e idosos desamparados apenas porque eles vieram ao mundo com o destino de sofrer?
Minorar os problemas do outros vai ser sempre uma forma de agradar a Deus. Não podemos passar a vida amealhando riquezas sem aprender a dividir com aqueles aos quais a riqueza não bafeja, seja por preguiça, ignorância ou falta de oportunidade. Diz o bom senso que não devemos julgar ninguém. Devemos, sim, amar a todos como nossos irmãos. O mundo é de todos sem distinção. Se somos diferentes na raça, posição social, no idioma, cor. sexo ou opinião não significa que devemos agir como estranhos. Antes de qualquer coisa essas diferenças devem nos unir, nos fazer todos irmãos.

Bom domingo.

sábado, 28 de janeiro de 2017

Nada acontece por acaso.

Resultado de imagem para imagem de nada acontece por acasoExiste uma corrente de pensamento que acredita que para todo efeito existe uma causa e que, portanto, nada daquilo que nos acontece é fruto do acaso. Alguns chegam a afirmar que acaso simplesmente não existe. Se estamos aqui neste momento vivendo essa ou aquela situação é por algum motivo. Não somos vítimas de um destino traçado por alguém, sem levar em conta os nossos desejos e a nossa vontade. Esse tipo de pensamento faria de nós apenas meras marionetes incapazes de influenciar positiva ou negativamente nos nossos destinos.
Sabemos, pela nossa própria experiência, que isso não é verdade. Somos, acima de qualquer coisa, seres cheios de vontade e desejos. Para realizá-los somos, muitas vezes, capazes de mover mundos e fundos. Principalmente, quando essas vontades e desejos são coisas agradáveis e prazerosas. Há até mesmo quem seja capaz de fazer sacrifícios acima da sua capacidade de suportar para estar em determinado lugar ou fazer algo que queira muito. Chamam isso de realização de um sonho ou de uma meta de vida.
No entanto, quando o desejo ou a vontade nos leva de encontro com o infortúnio, costumamos dizer que fomos vítimas do acaso tirando nossa total responsabilidade sobre os acontecimentos. Se, mesmo sabendo dos riscos, dirigíamos em alta velocidade e nosso carro bate e nos acidentamos gravemente não podemos culpar o acaso por isso. Houve aí a nossa participação ativa e não podemos negar isso, ainda que assim nos sintamos melhor.
Fazer isso é fugir da responsabilidade que temos sobre as nossas vidas e nossas ações. Também é negar-se a crescer, a aprender a lição que aquele revés está nos ensinando para que no futuro não voltemos a repetir o mesmo erro ou passe pelo mesmo infortúnio.
A vida é um aprendizado constante e esse ensinamento se dá nas mais diferentes situações. Precisamos estar de olhos bem abertos e nos conscientizar de que tudo o que nos acontece é porque de uma forma ou de outra atraímos aquilo para nós, seja um acontecimento agradável ou desagradável. O que importa é a lição que traz e o proveito que vamos tirar dele. 
Quando perdemos algo (ou pessoa) que gostamos muito, quando não conseguimos atingir um objetivo, perdemos um emprego, uma casa, uma viagem muito sonhada não é por acaso. Tudo faz parte de um plano maior e está tentando nos dizer alguma coisa. É preciso estar sempre de olhos abertos e deixar de se sentir vítimas do acaso. 

Bom final de semana.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Aprendendo a praticcar a lei da atração.

Resultado de imagem para imagem de aprender a praticar a lei da atraçãoSegundo os esotéricos , a humanidade vive sob a ação de leis universais tais como a lei de causas e efeitos, a lei da unidade e a lei da atração, dentre outras. A lei de causa e efeitos é aquela em que tudo o que fazemos de bom ou de mal volta para nós de alguma forma; a lei da unidade é aquela que diz que fazemos parte de um todo, que estamos todos interligados e a lei da atração é aquela que fala que tudo aquilo que vivenciamos, seja de bom ou de ruim, é atraído por nós através dos nossos atos e pensamentos.
Existem outras leis, são doze no total, mas vamos ficar somente com essas três. Se a lei de causas e efeitos parece um tanto quanto injusta, principalmente pelo fato de que quase sempre temos dificuldade de assumir nossa responsabilidade diante de nossas ações, a lei da unidade lembra-nos  a nossa responsabilidade com o todo, a lei da atração se apresenta de maneira mais lógica, de fácil entendimento e aceitação. Pelo menos, eu a vejo assim.
Apesar disso, confesso, sempre ficava um tanto aborrecido quando alguém me dizia que a vida que eu levava e que não gostava nem um pouco,  os problemas que eu enfrentava, as dificuldades eram atraídos pelos meus pensamentos, minhas ações e atitudes. Eu só estava vivendo aqueles problemas e aquelas dificuldades porque os atraía. Isso não entrava na minha cabeça por mais que eu tentasse.No entanto, eu não desisti. Precisava entender e, mais do que isso, me conscientizar de que os meus pensamentos e atitudes diante da vida eram os responsáveis por tudo o que me acontecia. 
O primeiro passo foi entender que não se pode mudar a maneira de pensar de uma vida inteira de uma hora para outra. Leva tempo para se aprender a ter pensamentos construtivos, os tais que se costuma chamar de "pensamentos positivos". Acostumamos desde cedo a lamentar e reclamar da vida o tempo todo acreditando que essa é a solução. Porém, reclamar não melhora nada. Pelo contrário, só faz as coisas piorarem.  Quanto mais falamos que a vida está ruim, pior ela fica. 
Aí você pergunta: então eu devo mentir dizendo que as coisas estão bem quando na verdade elas estão mal? É mais ou menos isso. É como nadar contra a corrente. Pense bem, se falar que tudo está ruim só piora, vamos mudar o disco. Vamos dizer que está bom e que vai melhoras ainda mais. Tente essa fórmula. Convença a sua mente de que tudo está bem e ela vai acabar criando coisas boas que vão se manifestar no mundo físico no seu dia a dia.
Parece bobo e sem sentido, mas é assim mesmo que funciona a lei da atração e percebi isso quando passei a policiar os meus pensamentos, substituindo as queixas  e lamentações por afirmações positivas. Cada vez que vinha  um pensamento negativo e de desânimo eu o substituía por um pensamento positivo, principalmente de algo bom que eu queria ver manifestado na minha vida.
Não é fácil virar uma pessoa positiva da noite para o dia. Ao conhecer a lei da atração, aprendi que essa é uma tarefa diária. Preciso ser forte para espantar os pensamentos negativos e que só trazem problemas e destruição para minha vida colocando pensamentos positivos no lugar. Se eu quero dinheiro, tenho que pensar em dinheiro, se quero amor, tenho que pensar em amor, se quero bons relacionamentos, um carro, uma casa, viagens é nisso que tenho que pensar e não na falta que eu sinto dessas coisas. Se quero amor, me sinto cheio de amor, não só para receber, mas também para dar. Essa é a lei da atração, o nosso mundo é exatamente do jeito que a gente o constrói.

Bom domingo.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Estão falando mal de você?

Resultado de imagem para imagem para estão falando mal de mimÉ muito comum a gente ouvir alguém reclamando do fato de estarem falando dele (a). A pessoa geralmente se mostra muito indignada e julga-se vítima de uma grande injustiça: como pode alguém falar mal de uma pessoa tão boa, justa e honesta como eu? Impossível, não é? De uma pessoa com esse perfil só se pode falar coisas boas, pois é merecedora, com toda certeza, dos maiores elogios e de toda consideração.
Mas, nem sempre, a coisa é bem assim. Diz o ditado que "onde há fumaça, há fogo" e é bom não contrariar. Até porque para que falem bem de nós é preciso que façamos coisas boas. Outro ditado diz que "o povo aumenta, mas não inventa" e, partindo daí...
Bom, deixa isso para lá. A questão é que se queremos que falem bem de nós temos que dar motivos para isso. As pessoas que vivem à nossa volta colhem as informações que passamos para elas Se elas falam bem é porque veem bondade em nós, se falam mal é porque nós transmitimos coisas más para elas.
Portanto, quando descobrimos que estão falando coisas desagradáveis sobre nós, devemos fazer, antes de qualquer coisa,  um exame de consciência para saber se por acaso não estamos dando motivos para que isso aconteça. Costumamos nos classificar como pessoas boas, justas e honestas quando na verdade as nossas ações dizem exatamente o contrário.
Ninguém é obrigado a ver em nós qualidades que não temos. Noves fora as incompreensões e implicâncias que quase sempre encontramos pelo caminho, somos os verdadeiros responsáveis pelas impressões que passamos para os outros sejam elas boas ou más. 
No mais, não adianta colocar a culpa nos outros e dizer que estão te difamando. Procure, antes de sair tirando satisfações por aí, saber o que está fazendo que pode estar causando má impressão. Não há outra maneira de ficar "bem falado(a)" que não seja fazendo coisas que causem boas impressões e conquistem a simpatia das pessoas.
Agora, se você faz tudo isso e não consegue se livrar das difamações, o jeito é deixar essa pessoa de lado e seguir o seu caminho. Não perde o seu tempo. Essa pessoa, ou pessoas, provavelmente, está, ou estão, querendo apenas torar a sua paciência. 

Bom final de semana.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Existem poucos "adultos" no mundo.

Resultado de imagem para imagem de pessoas que agem de maneira infantilApesar de parecer que a infância, essa fase maravilhosa da vida, está cada vez mais curta, uma vez que, infelizmente, as crianças estão entrando na vida adulta cada vez mais cedo, os adultos estão indo pelo lado oposto. É comum vermos pessoas em idade adulta agindo como verdadeiras crianças mal educadas e birrentas,
Uma pequena contrariedade já é o bastante que o "adulto" coloque para fora a sua "criança". A impressão que se tem é que a "criança" fica presa dentro do "adulto" a espera de um sinal para se manifestar. \Não teria nada de mais, não é mesmo? Principalmente, se nesses momentos recuperássemos o lado lúdico de uma criança e voltássemos a ver o mundo com uma certa dose de inocência.
O problema é que não é isso que acontece. As atitudes são sempre de crianças insuportáveis e necessitadas de um bom corretivo. No entanto, como têm aparência de adultos, não encontram alguém disposto a lhes aplicar o devido corretivo ou a lhes e"educar". Quando acontece de alguém se meter a "educados" dessa "criança" o resultado é quase sempre bastante desastrado, ou seja, confusão.
O adulto que insiste em ter atitudes infantis normalmente não tem consciência disso. Até porque se tivesse consciência evitaria os vexames, as confusões em que se metem pela falta de maturidade e de bom senso e agiriam de forma adulta e civilizada diante dos problemas e situações que a vida oferece cotidianamente.
Infelizmente, as redes sociais estão cada vez mais incentivando comportamentos infantis. Não tenho com esse post a intenção de recriminar pessoas que se sentem bem agindo dessa forma. Somos livres para fazer de nossas vidas o bem quisermos. Porém, agir com bom senso será sempre melhor que agir de maneira desregrada.
Ser adulta não é, de maneira nenhuma, ser triste. Nem é preciso perder a espontaneidade e nosso olhar ingênuo diante da vida. Pelo contrário, podemos ser adultos mantendo a criança que um dia fomos. Isso é bem diferente de ser infantil e não saber encarar a vida de frente.

Bom domingo.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Falar demais.

Resultado de imagem para imagem de falar demaisJá falei aqui muitas vezes sobre a força das palavras e do quanto elas podem afetar as nossas vidas tanto para o bem como para o mal. Por isso, devemos cultivar o hábito de somente usar palavras construtivas, palavras que sejam de incentivo e encorajamento e não palavras que destruam ou machuquem.
No entanto, dessa vez quero falar de um outro lado desta questão: é quando as pessoas falam demais, quando ultrapassam a barreira do bom senso e não medem as consequências daquilo que falam. Simplesmente  não conseguem manter suas bocas fechadas. Principalmente quando alguém, num momento de desabafo, fala algo de sua vida acreditando que a pessoa vai manter aquilo em segredo e quando menos espera o assunto está na boca de todo mundo.
Posso afirmar que é uma experiência terrível, pois aconteceu comigo. A sensação é a pior possível. Parece que você está nu diante da pessoa.. E, no meu caso, uma pessoa estranha que eu nunca tinha visto na vida. De repente, eu estava diante de uma figura desconhecida, mas que tinha muitas informações a meu respeito. 
Informações essas que eu jamais dividiria com um estranho. Não foi fácil sair da situação. E, para piorar, a pessoa em questão era aquele tipo que tem zero de sensibilidade e mesmo diante do meu constrangimento continuou falando e falando até que eu não aguentei mais e pedi para sair da sala. Claro, querendo fuzilar com o amigo indiscreto que contou o meu "segredo" para o primeiro desconhecido que encontrou. \Provavelmente, acreditando que eu nunca encontraria aquela pessoa. É aí que mora o perigo, conversa fiada e falatório são como vazamento de água, sempre encontram uma maneira de se espalhar e sempre faz estrago por onde passam. É preciso ter cuidado e pensar antes sair espalhando por aí algo que foi dito em confiança.
No meu caso, ficou a lição: nunca mais confiar segredos ou coisas íntimas com quem quer que seja. Nunca se sabe se a pessoa em quem você tanto confia não passa de um falador incapaz de guardar um segredo ou é capaz de usar de discrição.

Bom domingo.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Não tenha vergonha de seus hábitos saudáveis.

Resultado de imagem para imagem de não tenha vergonha de seus habitos saudáveisFala-se muito que os hábitos saudáveis são a única forma de termos uma vida longa e com saúde e ninguém é louco de discordar disso, não é? Mas também ninguém pode negar que a patrulha em cima daqueles que aderem a um estilo de vida que valoriza os bons hábitos é muito grande. 
O adepto da vida saudável, aquele que só come alimentos saudáveis, não fuma, não bebe em demasia, não usa drogas e tem compromisso certo com o esporte ainda é visto como estranho. Até porque está sempre em desvantagem. O número daqueles que insistem em manter os maus hábitos ainda é muito grande.
Basta alguém se revelar preocupado com sua saúde para ouvir o bordão: "lá vem aquele chato". Se a pessoa é vegetariana ou vegana a patrulha é muito maior. Tem sempre alguém que grita em altos brados que não sabe como ela aguenta viver sem comer carne. Parece que o errado é o certo e que ter hábitos saudáveis é vergonhoso ou então crime hediondo. 
Coisas dessa nossa sociedade que valoriza a corrupção do corpo e considera que viver de forma saudável é perda de tempo ou a negação dos prazeres da vida. Como se comer de forma desregrada, fumar, beber, usar drogas e viver de forma sedentária, hábitos que todos sabemos que destroem o corpo e até mesmo a alma (espírito), fossem eternas fontes de prazer. 
Podem até ser, mas o preço a pagar é sempre muito alto. É só nesse momento, quase sempre muito tarde, é que se descobre que aquele "prazer" era na verdade um caminho sem volta. Há quem, mesmo assim, use o velho bordão: " de um jeito ou de outro a gente vai morrer mesmo." Não deixam de ter razão, ninguém vive para sempre neste mundo. Porém, viver saudavelmente vai ser sempre melhor que viver doente independente do número de anos que se viva, não é? 
Portanto, se você leva a vida de forma saudável não se deixe levar pela patrulha, finja que não está ouvindo os comentários. O importante é que você respeita o seu corpo e quer para ele o melhor. O corpo é a casa do espírito e se o espírito habita um corpo doente consequentemente será doente também. Lembre-se disso. A saúde do nosso espírito e da nossa mente dependem da saúde do nosso corpo. Uma coisa está ligada a outra e nem poderia ser de outra forma.
Nesse novo ano que se inicia tenhamos o propósito de cuidar melhor do nosso corpo para que nosso espírito também esteja bem, sem medo ou vergonha de ter hábitos saudáveis.

Feliz 2017.