Pesquisar este blog

sábado, 1 de dezembro de 2012

Nada de fim: recomeço.

     Muito se fala da necessidade que temos de viver em grupo. Talvez esteja essa característica da raça humana, e quase todas as espécies de animais, a razão pela qual ainda continuamos existindo nesse planeta, uma vez que por mais atritos que a convivência possa trazer a verdade é que vivendo todos juntos uns protegem os outros e a vida fica mais fácil para todo mundo.
Quanto a isso creio que ninguém tem dúvida: viver em sociedade é muito melhor que viver sozinho. A convivência, além de tornar a vida melhor e mais prazerosa, também faz com que uns aprendam com os outros, dividindo experiências e conhecimento.
     Isso acontece com mais sucesso principalmente quando essa sociedade é formada por pessoas das mais diferentes procedências, classes sociais, raças, cores, religiões e a convivência seja baseada na tolerância e no respeito à essas diferenças. Onde não haja minorias segregadas e as leis sejam feitas para todos sem  excessões ou privilégios.
     Sei que pode parecer utópico e que você possa estar pensando que estou falando de uma sociedade ideal e não de uma sociedade real. Pode até ser. Mas convenhamos que, levados por uma situação que perdura anos a fio (talvez séculos ou milênios), passamos a acreditar que tudo é assim mesmo e que essa sociedade que discrimina e segrega grande parte de sua população é a sociedade que conhecemos e que não existe outra.
     Muitos dizem que sempre foi assim: os fortes massacrando os fracos e tudo na base do "manda quem pode, obedece quem tem juízo." Será que é assim mesmo? Tenho certeza que não.  Por mais que todo esse estado de coisas pareça estar sacralizado, por mais que as coisas pareçam que não tem mais jeito, ainda existe a esperança de  chegarmos à uma sociedade mais justa e igualitária.
     Falo isso por causa dessa onda que diz que o mundo vai acabar em 21 de dezembro, segundo uma profecia maia.  Embora os próprios maias tenham conhecido o seu fim com a chegada dos europeus às Américas, não acredito que isso vá acontecer. O mundo vai continuar aqui do jeito que está.
     O que é  uma pena, pois já estava mais do que na hora de aproveitarmos essa onda para tentar melhorar  o que está aí. Ao invés de um fim, podemos pensar num recomeço. Onde todos nós nos disponhamos em criar um mundo melhor sem tantas diferenças, sem tanta fome, sem tanta guerra e sem, acima de tudo, tanta degradação.
     Em 21 de dezembro de 2012 ou em qualquer data que a gente escolha, essa é a oportunidade que temos para dar um destino melhor para o nosso mundo.  É só a gente querer.