Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Sorrisos que contagiam.

 
    Todos nós, de uma forma ou de outra, exercemos algum tipo de influência  sobre aqueles com os quais a gente convive. Obviamente, essa influência varia de pessoa para pessoa. Uns influenciam mais, outros menos. O que vale é ninguém escapa. Somos, não se pode negar, grandes influenciadores.
     Porém, se essa influência varia de intensidade e tamanho, vale ressaltar que ela também varia quanto ao seu tipo: se é boa ou ruim, se é construtora ou destruidora.  Podemos exercer uma boa influência, o que significa, entre outras coisas, estar sempre, direta ou indiretamente, estimulando quem nos cerca às coisas boas e justas com uma  palavra amiga , um olhar, um sorriso, um abraço na hora certa. Também pode significar saber a hora certa de calar ou mesmo de retirar-se. Enfim, ter sensibilidade para entender as necessidades do outro.
     Por outro lado, podemos ser, também direta ou indiretamente, motivos desânimo, medo, dúvida, revolta, desencanto. É verdade que todos nós juramos de pés juntos que somos um poço de virtudes, que somos todos pela paz e coisa e tal. O que já é para se levar em conta. Embora muitos digam por aí que de boas intenções o inferno está cheio. Assim, não custa ficar atento ao que andamos espalhando pelo caminho.
     Nunca é demais aquela pergunta: Que tipo de influência estou exercendo sobre meus parentes, amigos, colegas de trabalho ou mesmo àquelas pessoas que a gente encontra no nosso dia a dia? Se a resposta não for lá muito clara não é motivo para botar a mão na cabeça e desesperar-se. Calma. Você não é nenhum vilão de novela daqueles que merecem morrer ou ficar louco no final da história. Ninguém está livre de de vez em quando trilhar caminhos um tanto confuso e abrir espaço para sentimentos, digamos, baixos.
     O importante é ter consciência de que um sorrio pode abrir as portas para outros sorrisos, enquanto um semblante carrancudo pode atrair igual expressão do outro e mais tudo o que isso acarreta. O que recebemos depende daquilo que ofertamos. Oferte sorrisos para a vida, pois, com certeza, ela sorrirá de volta. Um simples sorriso apaga qualquer mágoa e é o mais simples sinal de perdão.

Paz e bem.