Pesquisar este blog

domingo, 21 de maio de 2017

Todos somos um.

Resultado de imagem para imagem para todos somos umSabe aquela velha conversa de que somos todos iguais e que o mundo foi criado para ser habitado em por todos? Tem muito gente que acha que não é bem assim e que isso é conversa de socialista. O mundo tem dono e é deles. Totalmente deles. E não pense que isso é só no plano das ideias.. É real mesmo.
Essas pessoas não aceitam que todos têm direitos iguais e que merecem igual tratamento. Elas insistem em acreditar que são especiais e que, por isso, têm direito a um tratamento especial. Sentem-se superiores por terem mais dinheiro, se acharem mais bonitas, inteligentes, talentosa ou simplesmente por carregarem um sobrenome importante.  
Puro engano. Elas esquecem que esse tipo de comportamento as fazem apenas parecer ridículas e soberbas. Desconhecem  o ensinamento de Jesus que diz que "o maior deve lavar os pés do menor". Ou seja, o fato de nascer em situação privilegiada, seja financeiramente, intelectualmente etc, nos faz antes de qualquer coisa responsáveis por aqueles que não tiveram a mesma sorte. 
Deus não nos dá talentos para nos fazer superiores aos outros. Pelo contrário. Quando Ele nos oferta com algum dom, espera de nós que usemos esse dom para minorar os sofrimentos daqueles que vivem próximos de nós. Além disso, existe aquele outro ensinamento de Jesus que diz que" aquele a quem muito foi dado, muito será exigido".
Portanto, devemos ficar atentos para não passarmos a nossa vida juntando tesouros ou usando nossos talentos e habilidades para nos exibirmos e humilhar as outras pessoas. Isso é viver egoisticamente, cuidar do próprio umbigo e não se importar com o que acontece do seu lado. Somos responsáveis pelo mundo onde vivemos e seu bom funcionamento também depende de nós, de nossas ações.
Ninguém é obrigado a anular-se para pensar no outro. Não se trata disso. Na verdade, fazemos parte de um todo. Todos somos um. O que acontece com uma pessoa acaba refletindo em todos. Estamos inexoravelmente ligados. O ser humano precisa entender isso para que o mundo se torne um lugar melhor para se viver.

Bom domingo.

sábado, 20 de maio de 2017

Respeito ao outro.

Resultado de imagem para imagem de respeito ao outroPor mais que afirmemos que somos pessoas transparentes e abertas, sempre tem aqueles assuntos os quais não conseguimos falar tão abertamente assim. Basta surgir na conversa para nos fecharmos em copas e até nos irritamos quando a pessoa, muitas vezes sem querer, insiste naquele assunto tabu. Mesmo que seja considerado trivial para aquela pessoa e qualquer outra no mundo. Não importa. O assunto é proibido para nós e ponto.
Isso demonstra o quanto conviver é uma arte difícil e exige tato. É preciso, antes de qualquer coisa, entender que cada pessoa tem as suas particularidades e que não se pode julgar o comportamento de alguém baseado apenas em nossa forma de ver o mundo. Se para nós um assunto ou atitude é considerado de pouca ou nenhuma importância para outra pessoa pode não ser. É preciso ter cuidado. Do contrário, conviver se torna impossível e o rompimento acaba acontecendo.
Trocando em miúdos, é preciso respeitar as individualidades de cada um. Só assim poderemos construir uma convivências sem atritos, baseada no respeito mútuo. Onde, apesar de muitas vezes não concordar com a maneira de viver, se comportar e pensar da outra pessoa, conseguimos respeitar suas atitudes evitando com isso brigas e afastamentos.
A diferença de ideias e pontos de vista não podem representar empecilho para a boa convivência. Ninguém é obrigado a pensar como nós. É saudável conviver com pessoas que têm visões diferentes das nossas a respeitos dos mesmos assuntos. Isso faz com que enxerguemos as coisas por um prisma que não víamos antes. Isso nos enriquece e nos torna mais tolerantes.
Não somos obrigados a mudar a nossa forma de pensar e agir para acatar a forma de agir e pensar de uma outra pessoa. É importante termos nossa própria opinião. Porém, isso não impede que ouçamos a opinião do outro e, em muitos casos, venhamos a concordar e até a passarmos a pensar da mesma maneira. Sem que com isso possamos parecer "Marias vai com as outras".
Embora seja difícil admitir que outras pessoas têm mais conhecimento que nós a respeito de determinados assuntos, se tivermos a humildade de ouvir. o que elas têm a dizer podemos aprender muitas com elas. Manter os ouvidos tapados e ignorar o fato de que não somos "experts" em todos os assuntos é apenas uma prova de soberba.
Devemos estar sempre abertos a ouvir o que os outros têm a dizer e nos ensinar. Isso nos faz mais inteligente e nos mostra que da mesma forma que temos muito o que aprender com as pessoas também temos muito que ensinar a elas. A vida é uma eterna troca. Como diria São Francisco de Assis: é dando que se recebe."

Bom domingo.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Jogo de aparências.

Resultado de imagem para imagem para jogo de aparênciasVivermos no tempo do (discutível) politicamente correto. Se antes era proibido proibir, agora proíbe-se tudo. Principalmente, ser espontâneo e dizer o que se pensa. Isso nos leva a viver de aparências. Estamos muito mais preocupados em parecer do que realmente ser. O importante é agradar, mesmo que isso nos desagrade.
Isso é mesmo justo? Aonde vai nos levar essa constante necessidade de agradar os outros? Provavelmente a lugar nenhum. Até porque no fim das contas ninguém está agradando ninguém. Na verdade, todos fingimos que estamos agradando, ao mesmo tempo em que fingimos que estamos nos agradando do que o outro está fazendo. Tudo não passa de um jogo de aparências. Passamos o tempo todo fingindo, acreditando que essa é a única a forma de sermos aceitos no meio em que vivemos. 
Ledo engano. Todos sabem que tudo não passa de um jogo de cartas marcadas e vai continuar participando dessa farsa até que seja necessário. Quando o jogo dos interesses cessar, acaba a necessidade de fingir e as máscaras são retiradas para dar lugar a verdadeira face de cada um. 
Nesse momento, esquecemos todas as regras do politicamente correto e botamos para fora aquilo que verdadeiramente pensamos. Nem sempre é algo bom de se ver. O famoso lado B de cada um que na verdade é exatamente aquilo que somos em nosso íntimo. Passamos, assim, a exibir nossos reais pensamentos, nossas preconceitos e intolerâncias.
Tudo isso pode ser evitado, se não formos tão comprometidos em querer agradar a todos o tempo todo, se tentarmos ser mais verdadeiros em nossas opiniões e posições diante dos acontecimentos que nos cercam no nosso dia a dia. Ninguém precisa ser grosseiro e estúpido para ser verdadeiro, para dizer o que realmente pensa e sente. 
Há muitas maneiras de dizer a verdade, de se falar o que pensa sem ferir e maltratar as pessoas. Basta para isso escolher as palavras certas, o momento adequado de dizer as coisas e para quem se deve dizer as coisas.  Nem todo mundo está preparado para ouvir as nossas verdades. Por isso, muito cuidado com o que se diz.
Por outro lado, optar por sempre estabelecer relacionamentos baseados na mentira, querendo desesperadamente agradar todo mundo faz de nós apenas personagens de um história que não é a nossa e o final dessa história pode não agradar nem a você nem a quem você tanto queria agradar.

Bom domingo.

domingo, 7 de maio de 2017

Na alegria e na tristeza.

Resultado de imagem para imagem para juntos na alegria e na tristezaQuem costuma frequentar cerimônias de casamento deve saber que geralmente os noivos fazem aquele juramento de estar firme um ao lado do outro em qualquer circunstância, ou seja, na alegria e na tristeza.e mais o que vier pela frente. Belo juramento. Mesmo sabendo de antemão que dificilmente será mantido e que no primeiro problema que aparecer será esquecido, os convidados do casamento tendem a ficarem tocados com a jura feita pelo casal apaixonado. Há quem chegue a chorar de emoção.
Só que na vida, como nas novelas, tem sempre um capítulo seguinte e aí... Bem, essa postagem não é para falar de juras de amor e muito menos de casamento. Quero falar de relacionamento, mas em outro nível: o do convívio social, da amizade. 
Não consta em lugar nenhum que as pessoas ao tornarem-se amigas façam algum de tipo de juramento, embora, claro, isso possa acontecer. Mas o normal é que as amizades aconteçam de forma natural e sem nenhum protocolo, de forma livre e genuína. 
No entanto, tem gente que acha que o juramento feito na cerimônia de casamento vale também para as amizades e acredita que seus amigos têm que acompanhá-las em todos os instantes de sua vida. Se elas estão felizes, querem que todos a sua volta estejam igualmente vibrando com com sua felicidade. O mesmo acontece quando elas estão tristes, depressivas, ansiosas, apreensivas etc. 
Seria muito bom se fosse possível ter esse nível de sintonia. Porém, é quase impossível. Sabemos que nem no casamento, apesar da jura feita diante do padre ou pastor, a coisa costuma funcionar. Duas pessoas, mesmo ligadas pelo sentimento, tendem a ter reações diferentes diante de fatos semelhantes. O que é perfeitamente natural e aceitável. 
Não se pode exigir que alguém esteja sempre feliz com a nossa felicidade e triste com a nossa tristeza. Principalmente em se tratando de amigos. Muitas vezes, nossos amigos estão transbordando de felicidade, enquanto nós não estamos vivendo um bom momento. O contrário também acontece frequentemente. 
Por isso, não podemos reclamar quando a nossa alegria não contagia o outro e quando a nossa tristeza não é capaz de sensibilizá-lo. Temos que aprender a respeitar esses momentos sem exigir nada do outro. Afinal, não estamos dispostos a abandonar a nossa alegria para vestir a tristeza de alguém, mesmo nos sensibilizando com a dor que o outro está vivendo, ou estamos? Cada momento que vivemos, alegre ou triste, é único e só nosso.

Bom domingo.

sábado, 6 de maio de 2017

Amizade e popularidade virtuais.

Resultado de imagem para imagem  amizade e popularidade virtuaisJá faz algum tempo que Roberto Carlos fez sucesso com aquela música onde dizia que queria ter um milhão de amigos. Com o advento da internet facilitou a vida de muita gente e ter um "milhão de amigos" deixou de ser um sonho distante. Há quem tenha muito mais. No entanto, uma dúvida ainda permanece no ar: as chamadas amizades virtuais podem ser consideradas mesmo como amizades verdadeiras?
Têm pessoas que juram que sim. Essas amizades são de fato verdadeiras e em nada diferem das ditas "amizades reais", aquelas que a gente faz por força mesmo do convívio, em consequência de nossa vida social ou por afinidades. 
Outros, porém, acreditam que não passam de pura fantasia, o "faz de contas" de nossos tempos de criança. Através de um click você convida pessoas conhecidas ou desconhecidas para fazerem parte de seu grupo de amigos. Caso ela aceite, está firmada a amizade que pode durar indefinidamente ou ser deletada a qualquer momento e através de um outro simples "click".
O relacionamento poderá ser de intensos "likes" e "comments" ou ser apenas para constar. Aqueles que fazem parte apenas decorativa para somar os tais "um milhão de amigos" que o Roberto Carlos cantou em sua música anos atrás. 
Como sabemos, mesmo na vida virtual, não é fácil encontrar um milhão de amigos e para isso é preciso abrir mão do bom senso e sair aceitando pedidos de amizade de desconhecidos ou convidando pessoas as quais você jamais teria qualquer tipo de relação no mundo real. Pessoas que você, muitas vezes, encontra na rua e nem recorda que elas fazem parte de seu grupo de amigos virtuais. Aqueles que você ostenta com tanto orgulho, mas dos quais você não sabe nada e, parece, nem quer saber.
A única coisa que interessa é mostrar para todos que você tem milhares de amigos, centenas de seguidores e não sei quantas curtidas. Pouco importa de onde elas vêm. Vale tudo para ter um milhão de amigos. Além disso, é preciso superar aqueles seus amigos reias que saíram na frente e contam com muito mais amigos virtuais que você.  Não se pode ficar para trás e nem você está disposto a pagar esse mico. Nem fica bem para sua reputação e para sua, é claro, popularidade.
Aliás, esse é o grande objetivo de todos: ser popular. Os tais quinze de muitos de fama a que todos teriam direito no futuro segundo aquele filósofo moderno foram estendidos e todos querem ficar na frente dos holofotes para sempre. Ainda que seja virtualmente.

bom final de semana.