Pesquisar este blog

julho 23, 2017

Como somos vistos e como nos vemos.

Resultado de imagem para imagem para como somos vistos e como nos vemosA imagem que vemos refletida no espelho nem sempre é a imagem que realmente fazemos de nós. Tem sempre alguma coisa que não gostamos ou que gostaríamos de mudar: talvez a boca não deveria ser tão pequena ou o nariz tão grande, tem também o queixo, as sobrancelhas... Enfim, a gente nunca está satisfeito com a aparência.
No entanto, mesmo perfeitamente conscientes de que não conseguimos agradar nem a nós próprios, geralmente temos a pretensão de querer agradar a todos que não nos rodeiam. Mais que isso, costumamos acreditar que as pessoas com as quais convivemos no nosso dia a dia nos enxergam exatamente com aquela imagem idealizada que temos de nós. Não a imagem que verdadeiramente temos, mas aquela que gostaríamos de ter e que, infelizmente, não corresponde à verdade.
É daí que nascem os enganos e os conflitos, pois agimos na maior parte do tempo como se fossemos aquela pessoa que vemos em nós, não a que somos de fato. É claro que muita gente tem uma percepção bastante próxima daquilo que realmente é, mas a maioria sofre de grande miopia e acaba tendo uma imagem muito distorcida de si mesmo.
Isso não significa que todo mundo vive enganado ou enganando-se. É bastante normal  achar-se bonito (a) ou mesmo ver-se com uma pessoa boa, sensata e talentosa quando somos totalmente  o contrário. Muita gente vê isso como autoestima elevada e uma postura otimista diante da vida. Pode ser. Porém, não podemos usar esse tipo de atitude para mascarar os nossos defeitos ou para vender uma ideia destorcida de nós mesmos.
Ver-se como realmente somos é um passo para mudarmos, principalmente quando não gostamos muito daquilo que vemos em nós. Outro passo importante é procurar aceitar-nos como somos com todos os nossos defeitos e qualidades, sem máscaras, sem maquiagem que nos transforme numa outra pessoa. Ainda que seja a pessoa que gostaríamos de ser ou a maneira com que gostaríamos de ser vistos pelos outros. 
Não existe uma imagem perfeita, um modelo a seguir seguido. Existe, sim, um caminho a ser trilhado rumo ao entendimento do que verdadeiramente somos, a verdadeira razão pela qual estamos nesse mundo, qual o nosso verdadeiro papel aqui e em todo o universo que nos rodeia. Talvez nesse dia nos veremos e seremos vistos como realmente somos. 

Bom domingo.

julho 22, 2017

O tempo e as prioridades.

Resultado de imagem para imagem para o tempo e as prioridadesÉ bastante comum a gente ouvir por aí que o tempo está passando muito rápido. Ao mesmo tempo tem-se a sensação de que cada vez mais temos menos tempo para cumprir os nossos afazeres diários mais simples. Não bastasse isso, temos que encarar a enxurrada de informações que nos chegam de todos os lados a todo tempo fazendo com que, muitas vezes, não consigamos decidir rapidamente o que é realmente importante e relevante e o que não vale a pena tomar conhecimento.
O problema é que chegam ao mesmo tempo e com embalagens parecidas. Não se sabe mais o que é verdadeiro e o que não passa de mera especulação. Como agir diante disso? Afinal de de contas não podemos ficar totalmente alienados, mas também não podemos absorver todas as informações que nos chegam. Até porque, como todos sabemos, não há tempo para isso.
Por isso, é preciso que tenhamos coragem para decidir o que realmente é importante para nós e descartar aquilo que não vai nos acrescentar nada. Na verdade, precisamos decidir o que é prioridade em nossa vida. E isso não vale apenas para as informações que recebemos, vale para a nossa vida como um todo.
Sempre será mais fácil atingir os nossos objetivos se soubermos escolher as nossas prioridades e focar nelas, somente nelas. Isso faz com que não percamos nosso tempo com coisas que não acrescentam nada. Pessoas com foco quase sempre conseguem aquilo que querem porque tendem a usar melhor o seu tempo. E, em tempos de tempo curti, isso é tudo o que todo mundo quer, não é?
Portanto, não perca mais tempo com informações irrelevantes, seja criterioso, escolha seus objetivos e siga em frente. Querer ter a pretensão de saber de tudo, de conectado em todas as mídias é puro gasto de energia. Os atletas que ganham medalhas são aqueles que se dedicam mais, os que priorizam mais uma meta, um objetivo e vão naquela direção sem se deixar distrair pelo caminho.
Dizem que tempo não se recupera, uma vez perdido, não volta. Mas podemos economizá-lo ou usá-lo de forma racional. Depende de cada um de nós, dos nossos objetivos e daquilo que queremos da vida. Do contrário, vamos passar a vida perdidos no meio de tanta informação sem saber para onde vamos e o que fazemos com elas. Por isso, toda vez que receber uma informação pergunte-se se ela é realmente relevante ou se serve para alguma coisa e se pode influenciar em alguma parte de sua vida.Se não for, descarte. Existem outras prioridades e você sabe quais são. O resto é perda de tempo.

Bom final de semana. 

julho 16, 2017

A fé é nosso escudo protetor.

Resultado de imagem para imagem de pessoas com fé em si mesmasÉ sempre muito importante em qualquer momento de nossas vidas contar com o apoio e ajuda de todos aqueles que vivem á nossa volta. Isso nos dá força e coragem para continuar firmes em nossa luta principalmente nos momentos em que tudo parece não dar certo. Aquela palavra amiga, aquela presença, mesmo que silenciosa, o abraço, um simples telefonema tudo representa alívio para um coração sem esperança. 
Feliz daqueles que podem contar com pessoas assim em suas vidas e sabem valorizá-las. Essas pessoas valem ouro e suas amizades devem ser cultivadas como plantas raras: com todo cuidado, atenção e esmero.
No entanto, é preciso prestar atenção a um simples detalhe: você pode ter os melhores amigos do mundo, os mais prestativos, presentes e que sempre estão do seu lado, mas se não tiver um fé viva e forte dentro de si, de nada adianta. Nenhum amigo, por mais que esteja ao seu lado em todas as horas, por mais que o apoie em todos os momentos não pode substituir a fé que devemos ter em nós mesmos.
É essa fé que nos mantém de pé e nos faz levantar todos os dias de manhã para continuar a nossa caminhada. Sem essa fé, podemos até caminhar, mas nunca seremos verdadeiros caminhantes. Pelo contrário. Seremos sempre seres autômatos que simplesmente segurem o fluxo, sem saber direito para onde vão ou o que vão fazer.
Quando caminharmos com fé o nosso caminho, mesmo com todos os desafios e dificuldades, vamos com o olhar fixo na reta de chegada, sem dar muita importância às pedras que vez por outra encontramos e que, se não tivéssemos uma fé viva, seriam barreiras intransponíveis que nos derrubariam para sempre.
Se temos fé, estamos protegidos. A fé é nosso escudo protetor e ela não depende dos outros. Depende apenas de nós, da nossa própria vontade. Talvez você diga que não é fácil ter fé. E não é mesmo. Manter viva a chama da fé é muito difícil por um simples motivo: a fé não nasce do nada. Ela é construída no nosso dia a dia. 
Dia após dia, vamos plantando a nossa fé e ela só será uma árvore frondosa se formos de fato bons jardineiros. Aquele bom jardineiro que sabe que a fé é a planta mais preciosa de seu próprio jardim, a que merece mais carinho e atenção e a que merece um lugar de maior destaque. 

Bom domingo. 

julho 15, 2017

Devemos ser gratos aos nossos inimigos.

Resultado de imagem para imagem de inimigos fazendo acusaçõesTodo mundo sabe o valor que tem um boa amizade. Há quem diga que quem tem encontra um grande amigo possui, na verdade, um tesouro. E quem tem um ou mais amigos de verdade sabe que isso é verdade. E como se dizia antigamente: quem tem amigo não morre pagão. Ou seja, não é de hoje que se sabe a importância que tem as boas amizades.
É com os amigos que queremos estar em nossos momentos de alegria, mas também é com eles que queremos estar nos nossos momentos de dor e tristeza. Contamos com eles qualquer que seja a situação e sabemos que podemos contar com sua presença, apoio e camaradagem. Há amigos, que de tão amigos, são capazes até de mentir por nós e até, quem sabe, dar a vida por nós.
Ninguém pode duvidar da força de uma amizade verdadeira. Às vezes algumas amizades são mais fortes que laços de parentescos. É possível gostarmos mais de um amigo do que de um irmão, por exemplo. Tal é a força inexplicável desse sentimento que unem pessoas desconhecidas pela vida afora.
E não faltam homenagens e todo tipo de demonstração desse carinho, seja em presentes e declarações apaixonadas. Há quem diga que uma pessoa pode ser julgada pela capacidade que ela tem de fazer amigos por onde passa. Exageros á parte, é inegável o valor das boas amizades. Mas e os nossos inimigos/ O que falar deles?
Na verdade, é a eles que devemos ser gratos. São eles que nos lembram o quanto ainda precisamos melhorar como pessoas, o quanto ainda falta para nos tronarmos pessoas verdadeiramente boas. Nosso inimigos são verdadeiras sentinelas que estão sempre apostos para nos lembrar defeitos que os nossos amigos, mesmo percebendo que nós temos, fazem questão de não apontar para não nos chatear.
É ou não é uma graça ter alguém que aponte as nossas falhas, critique a nossa maneria de ser e de agir? Essa pessoa merece nossos melhores agradecimentos. Seja grato aos seus inimigos. Abençoe-os por estarem sempre lembrando-o que você ainda precisa melhorar muito e que tem muito a aprender. Esse favor seus melhores amigos não fazem por você. Não que eles sejam maus ou não te queiram bem, é porque esse papel de apontar erros e falhas é mesmo atribuição dos inimigos.
Por esse motivo, gostaria de convidar você a olhar seus inimigos e detratores, sejam eles quem forem e que forma têm, com outros olhos. Eles podem não serem seus amigos, mas, com certeza, fazem questão de que se transforme numa pessoa muito melhor. 

Bom final de semana.

julho 09, 2017

Sem medo dos problemas.

Resultado de imagem para imagem de pessoas que enfrentam seus problemas sem medoToda vez que acontece alguma coisa que não está programado, temos por hábito pensar que somos uns desgraçados, que não vale mais a pena viver e que antigamente, ou seja, em outros tempos tudo era muito diferente e melhor. Pode até ser que isso seja verdade, Mas também sabemos que há muito de exagero nesse tipo de afirmação. 
Temos, não se pode negar, uma tendência a multiplicar por mil os nossos problemas. É uma forma que encontramos de pedir ajuda. Gritamos bem alto que estamos passando por este ou aquele problema num ato desesperado, mesmo sabendo que o problema enfrentado não é tão grave assim e que, mesmo se fosse, somos fortes o bastante para enfrentá-lo e, mais importante de tudo, de vencer com galhardia.
No entanto, proferimos fazer o papel de pobres coitadinhos necessitados da caridade humana, quando na verdade tudo o que precisamos fazer é levantar, sacudir a poeira, e tomar pulso de nossa vidas. Definitivamente, não samos tão fracos quanto pensamos e queremos fazer crer que somos, nem tão fortes que não precisemos da ajuda ninguém. 
O que nunca podemos esquecer é que quase sempre podemos, antes de gritar por ajuda, procurar tomar pé da situação e ver se não somos capazes de sair daquele problema sozinhos. Até porque. na maioria das vezes, somos nós mesmos que criamos os problemas que enfrentamos. E, se sabemos criar problemas, precisamos aprender a resolvê-los, não é mesmo?
Dessa forma, deixaremos de criá-los, pois sabemos que caberá também a nós a tarefa de encontrar a solução para o problema criado. Não diga com isso que todos os problemas que enfrentamos na vida são criações exclusivas nossas. É claro que às vezes acontecem coisas que não podem ser previstas ou mesmo evitadas. Porém, não se pode negar que muitos dos problemas que enfrentamos vida a fora não fruto de nossa intransigência, intolerância e preconceito.
Por isso, antes de condenar as pessoas e o mundo onde vivemos, por que não parar para verificar que todos os problemas que enxergamos em todos os lugares por onde passamos não são apenas resultado de uma visão torta que temos das pessoas e da realidade que nos cerca. O fato de estarmos sempre prontos para julgar e condenar tudo à nossa volta acaba fazendo com que fechemos os olhos para toda a beleza que existe.
Há muito amor, amizade, carinho e respeito não só fora de nós, mas também e principalmente dentro de nós. É disso que o mundo precisa para ser um lugar melhor para se viver; de todo o amor, a amizade, o carinho e respeito que existe dentro de cada um de nós. Esses sentimentos nos deixarão fortes o bastante para enfrentar qualquer tempestade, terremoto, o que seja, pois nos torna fortese prontos para ver beleza e ensinamento em cada acontecimento bom ou ruim.

Bom domingo..

julho 08, 2017

Violência e preconceito.

Imagem relacionadaParece lugar comum hoje em dia falar de violência, do risco que se corre ao sair de casa todos os dias seja para trabalhar, para os afazeres do diários ou mesmo para um simples momento de lazer com a família. Ao mesmo tempo não há como não tocar no assunto. A coisa chegou num ponto que não dá para ficar calado e simplesmente "tentar levar a vida".
Independe da nossa vontade, ela chega sem aviso prévio e ceifa vidas, tira a paz e a tranquilidade de quem ainda pensava que tinha alguma segurança ou mesmo para aqueles que se julgavam acostumados com ela. Não tem jeito. A violência não escolhe sexo. classe social, raça ou qualquer outra distinção. Ela chega para todos. Ninguém está a salvo.
Isso faz com que todos se sintam inseguros em toda parte. Não importa aonde: na rua, no trabalho, nos grande e pequenos centos e até mesmo em nossas próprias casas, lugar onde antes nos julgávamos seguros e protegidos.  
O resultado disso é o aumento da busca por segurança. Todos querem e precisam se sentir seguros. Mas onde? Não existe mais lugares seguros. Perdemos a confiança na segurança oferecida pelo estado e as nossas casas não são mais sinônimo de proteção e aconchego, pois não existem mais limites para o poder de fogo daqueles que têm por ofício e objetivo acabar com a paz dos outros.
Nasce daí a desconfiança generalizada. Ninguém mais confia em ninguém e o medo se instaura. Passamos a suspeitar de tudo e todos. Nada mais natural, me parece. Porém, além de todos os agravantes da situação, surge espaço para mais violência. Agora na forma cruel do preconceito.racial e social.
Pobreza e pele escura passam a ser estigmas de violência. Pretos e pobres são tratados como agentes de violência e sofrem todo tipo de discriminação como se também não fossem vítimas. Trocando em miúdos, trata-se de uma nova vertente da violência: a violência adicionada de preconceito. Ou seja, o que já estava ruim, ficou pior.  
A violência somada ao preconceito escraviza e marginaliza mais ainda pessoas já tão marcadas por nascer e viver num país tão injusto e desigual como o nosso. Aqueles que têm a sorte de estar num degrau acima da pirâmide social não se furtam do direito de tratar os que estão embaixo como escória social responsável pela falta de segurança e paz em suas vidas. 
Na verdade, toda essa violência é fruto de uma distribuição desigual dos bens de nossa terra, onde poucos têm direito a muito e muitos têm que se contentar com tão pouco e, na maioria dos casos, são obrigados a viver sem nada, na total indigência. 
Não se justifica violência. Muito menos se justifica estigmatizar pessoas e raças, impondo-lhes mais penalizações do que elas já são obrigadas a suportar. 

Bom final de semana. 

julho 02, 2017

Existe hora certa para fazer as coisas?

Resultado de imagem para imagem de não existe hora certa para dar o primeiro passoÉ comum a gente ouvir por aí que tal coisa que queríamos muito que acontecesse não aconteceu porque não era  a hora certa, que preciso esperar a hora certa ,que cada coisa tem  a sua hora certa para acontecer e  que não adianta tentar forçar a barra. É isso  que dizem os especialistas em coisas da vida. 
Daí vem a inevitável pergunta: será que é mesmo verdade? Temos mesmo que ficar esperando essa tal hora certa para tomarmos as nossas decisões? Caso a resposta seja positiva, vem uma outra pergunta: quem determina essa hora certa?
Bem, para começo de conversa acho que isso é balela. Não existe a tal hora certa. Mesmo porque sabemos que não existe também nenhum apontador de horas dizendo que a hora chegou ou para nos prevenir quando ela está chegando. 
Prefiro aquele dito que diz que quem quer faz a hora e não espera acontecer. É bem mais  simpático e encorajador. Aliás, isso é tudo que precisamos: algo que nos encoraje a dar o primeiro passo e nos tire da letargia e da cômoda posição de ficar esperando eternamente pela "hora certa". 
Ou você conhece alguém que ficou esperando a hora certa e ela chegou sem que ele tivesse que dar um único passo? Tenho certeza que você não conhece ninguém. Quer motivo melhor para você deixar de lado essa pasmaceira e tomar, finalmente, uma atitude? 
Faça a sua própria hora certa. Não espere acontecer. Essa é postura daqueles que resolvem escrever as suas próprias histórias e não esperam que alguém lhes entregue um roteiro pronto para elas viverem. É claro que fazer a sua própria hora certa não significa sair por aí agindo como se fosse um louco. Não é nada disso. 
Nossas atitudes e decisões têm que ser tomadas de forma pensada e calculada. Os riscos sempre precisam ser levados em conta. Somente depois disso é que devemos, nós mesmos, vale lembrar, escolher a hora certa de dar o primeiro passo: abrir aquela empresa, comprar aquele bem, casar, viajar ou fazer o que seja que tanto queremos. 
A hora certa nada mais é do que aquele momento em que estamos preparados não só para os louros que possamos vir a colher, mas, acima de tudo, conscientes de todas as barreiras que poderemos encontrar pelo caminho, pois temos uma visão completa dos passos que vamos dar. Isso não determina que o sucesso está garantido, apenas nos dá o controle das coisas e a certeza de quem faz a hora somos nós mesmos.

Bom domingo.

julho 01, 2017

Mudar de ideia não é ser volúvel ou fraco, é ser inteligente.

Resultado de imagem para imagem de pessoas que mudam de ideiaAprendemos desde cedo que ter firmeza de caráter é tomar uma decisão e não mais voltar atrás. Mudar de ideia é coisa de fracos, os forres tomam uma decisão e a mantêm firmemente até o fim mesmo que isso custe suas vidas. Qualquer coisa diferente disso seria uma clara demonstração de fraqueza e levaria à desmoralização total, pois cabe aos fracos mudarem de ideia e reverem posições.
Será que é assim mesmo que a coisa funciona? Estaríamos mesmo fadados a sermos considerados pessoas sem caráter pelo fato de em algum momento revermos nossas posições diante deste ou daquele assunto? Creio que não é difícil chegar à conclusão que pensar dessa forma é uma grande prova de ignorância. 
Não podemos ficar presos às decisões que tomamos no passado como se elas fossem verdades imutáveis. Temos todo o direito de mudar de opinião quantas vezes quisermos sem que isso denote fraqueza ou falta de caráter. Pelo contrário. É bastante saudável que nos disponhamos a rever nossas decisões e tenhamos coragem de assumir que a nossa antiga posição não representa o nosso pensamento atual.
Antes de ser motivo de vergonha ou constrangimento, essa atitude é clara demonstração de que acompanhamos a evolução das coisas e uma coisa que parecia boa ou certa em determinado momento pode não ser num outro. O mundo muda, as coisas mudam, nós mudamos também. Uma decisão que parecia justa na nossa juventude ao ficarmos um pouco mais velhos e tornarmos pessoas mais experientes pode parecer absurda e sem sentido.
Portanto, não devemos ter medo de mudar nossa posição diante de qualquer coisa na vida e tomar atitudes que antes seriam impensáveis para nós. Não importe que digam que você é "vira casaca" e que está sempre mudando sua maneira de pensar. Provavelmente essas pessoas têm vontade de fazer o que você está fazendo e não têm coragem de dar o primeiro passo.
Livremo-nos da escravidão do pensamento único, do olhar sempre na mesma direção. O mundo está em constante evolução e nós devemos acompanhar. Do contrário, corremos o risco de ficar presos a nós mesmo, incapazes de ver o que está acontecendo do outro lado da rua, na esquina mais próxima ou mesmo dentro de nós.
Se for preciso mudemos uma, duas, quantas vezes for necessário. O importante é que não nos prendamos às verdades imutáveis. Elas não existem.

Bom final de semana. 

junho 25, 2017

Deus dividido.

Resultado de imagem para imagem para um deus divididoNem sempre se acreditou que todos somos filhos do mesmo Deus e que, apesar de todas as aparentes diferenças, somos todos iguais, temos os mesmos deveres e os mesmos direitos. No entanto, já faz tempo que se passou a acreditar num Deus único criador de todas as coisas. Isso por si só já seria motivo bastante para que todos vivêssemos em relativa paz.
Afinal de contas, acreditamos no mesmo Deus e estamos sujeitos às mesmas leis. Infelizmente a coisa não é bem assim. Ao abolirmos todos os deuses da antiguidade passamos a dar, cada um à sua maneira, uma cara para esse novo Deus. Apenas na teoria acreditamos no mesmo Deus, na prática moldamos nosso deus ao nosso bel prazer.. 
A partir daí passou a existir o deus dos cristãos, o deus dos judeus, o deus dos muçulmanos, o deus dos candomblecistas, dos espíritas e vai por aí. Cada uma dessas religiões vê seu deus de forma muito particular e em nome dele fazem e deixam de fazer muitas coisas.
Não quero entrar no mérito de quem está certo ou errado, qual o deus é realmente o verdadeiro Deus. Não se trata disso. Apenas quero chamar atenção para o fato de o que seria o mesmo Deus ser visto de maneiras tão distintas e, ao invés de unir os povos num mesmo objetivo, causar tanta divisão e tanta guerra. Isso me faz acreditar que ainda vivemos no tempo do politeísmo. 
Não bastasse isso, acontecem as divisões dentro das próprias religiões fazendo com que pessoas do mesmo credo e que, em tese, acreditam no mesmo Deus, o vejam de maneira completamente diferentes e antagônicas.
Parece, no fundo, que tudo o que queremos é ter um deus particular, moldado de acordo com a nossa vontade e necessidade. Ou seja, voltamos ao que era antes de Moisés. Cada um constrói o seu bezerro de ouro e o adora à sua maneira.
Longe de julgar, quero apenas salientar que ao dividir e moldar Deus de acordo com a nossa vontade, estamos perpetuando a divisão do mundo, onde cada um vive sem se preocupar com o outro, fazendo aumentar a cada dia o individualismo. Cada um preocupado consigo, sem levar em conta que o mundo, assim como o seu criador, é um só.
Vem daí o fato de vivermos atualmente em meio a tanta divisão.  Principalmente entre aqueles que acreditam e lutam pela paz e portanto querem a preservação de nossa planeta e aqueles que pensam apenas no lucro fácil e em amealhar fortunas. 
Precisamos voltar a pensar num Deus verdadeiramente único e que isso nos faça viver como irmãos de fato fazendo com que o mundo se torne de fato a casa de todos.

Bom domingo.


junho 24, 2017

Suavizando nosso olhar.

Resultado de imagem para imagem para suavizando a maneira como olhamos o mundoAlguém já disse que feio e belo é uma questão de ponto de vista. Uma coisa olhada de um determinado ângulo pode parecer feia ou bonita dependendo do olhar, que por sua vez vai depender do humor e do grau de envolvimento com coisa olhada.
Isso me leva a pensar que é quase impossível que o nosso julgamento seja totalmente isento e que possa coincidir com o julgamento que outra pessoa faça sobre a mesma coisa, mesmo quando acreditamos que pensamos igual ou de maneira parecida. Quando julgamos, quase sempre inconscientemente, usamos a nossa visão de mundo não a razão como costumamos pensar e a nossa decisão é baseada nisso. Por isso temos visões e opiniões tão diferentes sobre as mesmas coisas. Um pode achar uma montanha uma linda paisagem, o outro pode ver a mesma montanha apenas como uma barreira que o impede de ver o que há do outro lado. 
Tudo na vida depende do nosso olhar, da maneira que enxergamos as coisas. Nosso olhar determina não só o belo e o feio, mas também o que é bom ou ruim, o que vale e o que não vale a pena. Nosso olhar pode enfeiar ou embelezar as coisas. É ele que decide se o mundo em que nós vivemos é um lugar bom para se viver ou não. O mundo esse qye é sempre o mesmo para todos. A diferença é a maneira que com estamos dispostos a ver esse mundo, como olhamos para ele.  
A boa notícia é que podemos moldar o nosso olhar passando a ver um mundo de uma maneira mais doce. Para quê tanta ferocidade nesse olhar? Por que ver o mundo com tanta raiva, ódio e rancor? Já sei. Você vai dizer que a vida não é fácil e que esse olhar duro é apenas uma forma de defesa. Mas de quem ou de que você está se defendendo?  Não seria mais fácil tenar mudar esse olhar? 
Passe a olhar o mundo com mais doçura e o mundo vai se tornar, naturalmente, um lugar muito melhor de se viver. A ferocidade, a dificuldade, todas as barreiras estão muito mais no seu olhar do propriamente no mundo. A violência, o desemprego, a falta de habitação e todos os problemas que enfrentamos em nossa sociedade são reais, ninguém pode negar isso, mas deixar-nos endurecer torna tudo mais difícil ainda.
Suavizar o nosso olhar já é meio caminho andado na busca por soluções para os nossos problemas. Acredite nisso. E se isso poder vir acompanhado de um sorriso nos lábios, melhor ainda. Essa é a nossa grande contribuição que podemos dar não só para o mundo, mas para nós mesmos. 

Bom final de semana.

junho 18, 2017

Julgando com imparcialidade.

Resultado de imagem para imagem de julgamento imparcialPolitica nunca foi um assunto sobre o qual gosto de escrever neste blog e, apesar de todo o turbilhão em que vivemos em nosso país nos últimos tempos, tenho tentado evitar, uma vez que nossa intenção aqui é falar sobre assuntos ligados à espiritualidade. 
No entanto, o julgamento da chapa Dilma-Temer fez com que algumas perguntas ficassem no ar e aí não foi mais possível ficar alheio. E eis algumas dessas perguntas; os julgamentos, de juízes ou mesmo os nossos julgamentos, são realmente isentos? Quando julgamos, somos imparciais e honestos em nossos veredictos? 
A resposta que nos parece mais viável  para ambas é de que não. Não somos imparciais. Julgamos de acordo com nossa conveniências. Se o réu em questão é nosso amigo ou familiar, o nosso julgamento é um, se, ao contrário, é  nosso inimigo ou uma pessoa estranha, o nosso julgamento é outro e, nesse caso, costumas sermos bastante severos. Será que isso é justo? Pode um juiz colocar em primeiro plano os seus interesses pessoais acima até mesmo da verdade?
Nossos juízes deram um mau exemplo ao mesmo tempo em que confirmaram uma tendência comum em todos nós. Infelizmente nunca é exagerado dizer que esses políticos que não respeitam os cargos que exercem são nossos legítimos representantes, que eles agem assim porque nós, o povo que os elegem, também agimos assim. 
Essa parcialidade claramente mostrada pelos juízes do STE é também nossa parcialidade. Essa é a lição que fica do resultado favorável pela não cassação da chapa Dilma-Temer. Independente de qualquer coisa, ficou claro que o que estava em jogo não era a verdade dos fatos, mas os interesses particulares de cada um.
Para que isso mude, teremos que mudar também. Só teremos maioria de políticos e juízes comprometidos com a verdade e o decoro no dia em que a maioria da população optar por rever suas posições e tentar tomar decisões com imparcialidade e calcados pura e tão somente na verdade. Enquanto isso não acontecer, teremos que conviver com esse quadro deplorável que temos aí. Políticos que mais parecem bandidos e assaltantes do dinheiro públicos e juízes que julgam de olhos fechados para a verdade e gravidade dos fatos.
Felizmente nem tudo está perdido. Ainda temos políticos e juízes que honram seus cargos. Mas eles ainda são uma minoria sem voz.

Bom domingo.

junho 17, 2017

Progresso espiritual.

Resultado de imagem para imagem falta de progresso espiritualÉ inegável que a humanidade fez grandes progressos nos últimos trinta anos em vários segmentos. Muitas coisas que não passavam de mirabolante ficção tornaram-se realidade nos nossos dias facilitando consideravelmente a vida de todos, pobres e ricos. Hoje já se consegue, por exemplo, alongar a vida das pessoas através de tratamentos que antes eram impossíveis ou mesmo impensáveis, conseguimos nos transportar de um lugar para o outro com muito mais rapidez e segurança, nos comunicamos instantaneamente com os lugares mais distantes do mundo, entre outras maravilhas.
Alguém que tivesse passado os últimos trinta em coma e despertasse de repente teria muita dificuldade de entender tantas mudanças. Essa pessoa, com certeza, pensaria que teria acordado num futuro distante, que estaria fazendo parte de um filme de ficção ou que ainda estaria sonhando.
Muitos acham isso muito bom. Isso se chama progresso. A humanidade realmente fez grandes progressos, a vida na terra, apesar de todos de todos os percalços (sobretudo no que diz respeito á concentração de riquezas e o aumento da fome e da miséria), melhorou muito e, sabemos, pode e vai melhorar muito mais.
No entanto, enquanto seres humanos, estamos na mesma condição que estávamos, não há trinta anos, mas há séculos.  .Se tecnologicamente e cientificamente demos grandes passos, o mesmo não se pode dizer de nossa espiritualidade. Sentimentos como desamor, desprezo, egoismo e falta de compaixão ainda nos deixam presos ao passado, aos primórdios de nossa existência.
Pouco mudamos desde que habitávamos as cavernas. O individualismo está cada dia mais forte. Queremos um mundo melhor para nós, até mesmo para nossa família, mas estamos pouco nos importando com o que acontece com o irmão que está do nosso lado. Vivemos como se fossemos uma ilha e que nada nos perturbe.
Esse tipo de comportamento faz com todos os avanços dos últimos tempos pareçam de pouca valia. Se  por um lado tivemos a nossa vida facilitada pela tecnologia e outras descobertas, por outro vivemos nas trevas do espírito. Precisamos evoluir também espiritualmente para que possamos desfrutar de verdade de todo esse avanço. No dia em que isso acontecer, finalmente poderemos dizer que a humanidade chegou ao futuro.

Bom final de semana.