Pesquisar este blog

domingo, 12 de junho de 2011

Você sabia?

        É assim que começa a maioria das conversas em que o falante tem a intenção de contar alguma novidade ou algum segredo cabeludo. Geralmente, antes mesmo que você responda sim, não ou o que? a pessoa já vai despejando toda a história. Não raro, trata-se de algo que todo mundo já está cansado de saber e , portanto, nem é tão novidade assim, mas também pode ser um daqueles segredos envolvendo algum conhecido que você preferiria não ficar sabendo. Não porque não se deva gostar de novidades. Todos gostam , não é?
     Porém, essas novidades ou segredos quase sempre são uma mera desculpa para que o falante espalhe seu veneninho sobre a pessoa da qual se trata a história. Você já reparou que é muito raro alguém vir contar que 'Fulano de tal" ou "Sicrano" subiu na vida por seu próprio esforço, que é talentoso, que merecia a promoção que recebeu no trabalho, que está no lugar certo, que merece a família que tem, os amigos e tudo o que tem? Pois é. Essas "novidades" são sempre para espalhar os maus passos daquela pessoa. Parece que tem gente que fica feliz quando descobre algum deslize dos outros: "Sabia que fulana está traindo seu marido?" "Sabia que o Jorge deu um desfalque na firma onde trabalhava?" Sabia que, apesar daquela cara de certinho, o Pedro é viciado em drogas ilícitas?" E vai por aí. Dá até para ver o veneno escorrendo no canto da boca.
     Esse tipo de pessoa não pode ser bem intencionada. Não acredito que alguém que saia por aí difamando os outros possa ser visto como inofensivo e que tudo o que quer é apenas jogar conversa fora, mostrar o quanto chocado está com a situação em que se encontra seu amigo. Mesmo com muito esforço, não dá para acreditar. Sempre tenho um pé (senão os dois) atrás com esse tipo de gente. Além do que ela só te conta o fato porque tem desejo de vê-lo disseminado. Para mim, não tem outro jeito: essa pessoa não passa de uma fofoqueira e quando ela conta a fofoca tem em vista que você vai contar para o primeiro que encontrar, ainda que seja apenas por ter achado a história esquisita, inacreditável ou para conferir se se trata de verdade ou mentira. É aí que muita fofoca acaba ganhando a boca do povo.
     Isso não significa que todo mundo seja anjinho e que tudo que é dito por aí é mentira, fofoca. Não é bem assim. As pessoas cometem erros mesmo, dão maus passos, saem da linha, têm vícios, taras, são politicamente incorretas. O que não significa que devam ser crucificadas por isso, nem protegidas também. Cada um de nós tem o seu caminho para trilhar e pode, claro, acontecer de num momento ou noutro a gente dar uma escorregada aqui e ali ou mesmo cair.
     Alguém já disse que só Deus é perfeito. Portanto, tudo pode acontecer nessa nossa caminhada. E se nós, por algum motivo (ou pela graça de Deus) não temos esse ou aquele defeito, não podemos(nem devemos) ficar apontando o dedo, jogando luzes sobre os defeitos dos outros. O fato de estarmos (se for o caso) um pouco adiantados em relação àqueles que estão do nosso lado só nos faz ser mais compreensivos, mais solidários.
     Tenho por hábito esquecer ou ignorar qualquer história que venham me contar em que envolva a vida particular dos outros. Principalmente quando não posso fazer nada para ajudar aquela pessoa. Nesse caso, só resta mandar vibrações positivas para a pessoa (ou rezar, para quem assim prefere) e esperar que ela atravesse aquele momento e saia lá na frente inteira. Fuja quando alguém aparecer com algo parecido com: "Você sabia?"