Pesquisar este blog

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Respeito ao adversário.

     Parece que não tem mesmo jeito. Querendo ou não, vez por outra, a gente se vê disputando algo com outra pessoa: seja um emprego, a atenção de uma pessoa, um lugar à sombra, um acento na condução, a vez de falar, a vez de ser ouvido, enfim, qualquer coisa. Das mais importantes e vitais para a nossa vida, àquelas, aparentemente, sem grande importância, mas que, sabe-se lá por que, fazemos tanta questão.
      Acho que já falei aqui sobre ter cuidado com os nossos adversários, do quanto eles podem ser desleais. E continuo achando que devemos estar alertas, as pessoas costumam perder a linha quando se vêem disputando alguma coisa com alguém. Não medem esforços e, algumas, são capazes de praticar golpes baixos.
     Até aí, nada de novo, não é? As pessoas continuam as mesmas, as situações de repetem indefinidamente. No entanto, como tudo na vida, a questão tem dois lados. É preciso que tenhamos cautela antes de sair classificando esse ou aquele de inimigo ou adversário só porque essa pessoa deseja exatamente aquilo que queremos para nós. Só isso não faz de ninguém, necessariamente, uma pessoa desleal. Há que se ter parcimônia nessa hora. Todos temos os mesmos direitos.
      É aí que entra uma coisa chamada respeito. É esse o sentimento que devemos nutrir por todos aqueles com os quais nos cruzamos na vida. Principalmente aquele que se encontram do lado oposto a nós; aqueles que nunca vimos na vida, mas que o destino quis nos colocar uns contra os outros numa disputa, por exemplo, de uma vaga de emprego, de uma posição vital para nós e que, também, é importante para eles.
     Que Deus não permita que levados por sentimentos de raiva, prepotência, medo, orgulho ou vaidade ou dificuldade de aceitar os fatos tentemos prejudicar aqueles com os quais temos que disputar o que quer que seja. Que saibamos ser imparciais e admitir que o outro merece tanto quanto nós a vitória. Mesmo que isso seja difícil ou quase impossível de aceitar nesse mundo onde o importante não é competir e sim, vencer.
     Respeitando nossos adversários estamos respeitando a nós mesmos, pois, caso vençamos (e é isso que todos sempre esperamos) teremos certeza que a nossa vitória foi justa e honesta, que não trapaceamos ninguém e não aplicamos nenhum golpe sujo que possa manchar a nossa vitória.