Pesquisar este blog

sábado, 28 de maio de 2011

É preciso manter a fé, sempre.

     Não seria nenhum exagero afirmar que nós, no geral, somos pessoas de fé,  É característico dos seres humanos estarem sempre com um olho no futuro onde se acredita que tudo será melhor. Dificilmente imaginamos um por vir cheio de catástrofes e tragédias. Pelo contrário, num futuro imediato ou à perder de vista, visualizamos sempre coisas boas onde, vencedores, estaremos apenas colhendo os louros de nossos esforços ou (por que não?) da nossa sorte.
     Alguns chamam a isso de pensamento positivo, outros de que se trata de pura ilusão e há os que acham que aqueles que vêem a vida dessa maneira estão apenas querendo enganar-se. Seja lá o que for, eu costumo ver isso como o que as religiões costumam chamar de fé. No caso das religiões, elas pregam a fé num deus, em objetos, geralmente forças que estão fora de nós. É lógico que isso é válido. Trata-se da fé no criador de todas as coisas e, inclusive, nosso criador.
     Nesse caso, prefiro chamar a atenção para a fé que devemos ter em nós mesmos, na nossa capacidade, não só conseguir feitos grandiosos, mas de nos manter acessos mesmo naqueles momentos de fortes tempestades. Naqueles momentos em que tudo parece ruir à nossa volta e que não temos nada a que nos apegar. Momentos em só conseguimos visualizar a palavra fim e nós lá caídos enquanto sobem os créditos do filme da nossa vida.
     É de fé que precisamos nesses momentos. De fé na vida, em Deus, no mundo, mas, acima de tudo e qualquer coisa, fé em nós mesmos. Pois é aí que aquela nossa característica fé no futuro costuma mostrar que não é tão inabalável assim. É quando perdermos a fé em tudo e, principalmente, em nós mesmos. Aí de nada adianta um deus super poderoso pronto para nos ajudar, se não acreditamos em nós, se não temos consciência da nossa capacidade e da nossa força. Você pode achar que não, mas somos nós que ajudamos a Deus a nos ajudar e isso ocorre através da fé que temos de que podemos atrair a bondade de Deus, que merecemos aquilo que almejamos.
     Acredito na força da fé e em sua capacidade de transformar as coisas. Talvez não seja possível mensurar objetivamente a fé. Porém, ninguém pode negar a  diferença entre uma pessoa que tem fé e outra que vai levando a vida sem apostar em si, sem levantar-se da cama todos os dias disposta a escrever uma história de vitória, de superação.
     Por isso, todas aquelas vezes em que você sentir  que nada tem mais jeito, essa é a hora de renovar as apostas em você mesmo. É nesse momento em que devemos crer mais ainda. Quando tudo parecer estar perdido, creia mais. Aumente a dose da sua fé. É claro que não precisamos esperar que as coisas cheguem a esse ponto, mas se chegar, não tenha dúvida: creia. Você pode tudo.

sábado, 21 de maio de 2011

Pena não ter dito que te amava.

     A frase do título não é a única. Existem outras formas de dizer que nos arrependemos de não termos sido mais explícitos ao verbalizar aquilo que estávamos sentindo em relação à alguém que vivia ao nosso lado, que estava sempre ao alcance da nossa mão e que, de repente, saiu da nossa vida e só então nos demos conta da importância que aquela pessoa tinha em nossa vida.´
     Esse afastamento pode ocorrer por morte (talvez a pior de todas elas, por quase sempre não depender da nossa vontade, nem da vontade da pessoa), por mudança (bairro, cidade, estado, país), briga, rompimento amoroso, separação, por nossa simples vontade, enfim, toda uma gama de situações às quais estamos expostos no nosso dia a dia.
     Apesar dos ares folhetinescos da situação, ela ocorre mais vezes em nossas vidas do que podemos supor. Quem não viveu uma situação parecida algum dia na vida, não é? É muito arriscado apostar num não. Até porque estamos envolvidos com pessoas desde que nascemos: primeiro são os nossos pais, irmãos, avós, tios, primos, vizinhos, colegas de rua e de escola e vai por aí. Não há como escapar de conviver com pessoas e, por algum motivo, muitas vezes inexplicável, não perceber o quanto elas são vitais para nós.
     Basta que esta pessoa (ou pessoas) saia de nossa vida para que descubramos que ela não era uma pessoa qualquer, que não estava apenas fazendo figuração em nossa vida, que sua presença tinha uma razão de ser e que, o pior de tudo, sentimos sua falta.
     Trata-se de uma situação delicada, triste, difícil de encarar. Para muitos, é hora de cantar aquele bolerão da Maísa: "E o mundo caiu". Brincadeira à parte, muitos enfrentam sérias dificuldades para atravessar esses momentos e, muitas vezes, precisam da ajuda de profissionais para poder seguir em frente sem a tal pessoa antes praticamente invisível e que, de uma hora para outra, se transforma no ar que respiramos, na nossa razão de viver. Parece exagero, não? Mas infelizmente não é. A coisa é brava mesmo. Dor de amor, de saudade, de arrependimento é, como diz no salmo: "ferida que dói e não se sente".
     Há também aqueles que buscam ajuda na fé. São aqueles que vão buscar consolo nas  religiões (inclusive aquelas que prometem trazer a pessoa amada em três dias) tornando-se seguidores, não pela doutrina em si, mas pela necessidade de respostas para sua dor. Talvez aí esteja o perigo. Essa dor só o tempo pode curar. Não adianta querer milagres. E ela pode nos proporcionar um grande salto rumo ao entendimento da vida. É verdade que muitos se tornam amargos após viver suas desilusões, mas que elas ensinam, ensinam. Saímos mais maduros e prudentes, não é?
     O fato é que precisamos prestar mais atenção naqueles que vivem ao nosso lado, com os quais dividimos as nossas vidas. Ninguém é para sempre. Um belo dia vem uma onda e carrega as pessoas para  longe. Pode ser até que nós mesmos a qualquer momento possamos partir para outro lugar e ter que nos separarmos daqueles com os quais convivemos. Que saibamos externar os nossos sentimentos enquanto essas pessoas estão próximas a nós sem medo  de ser meloso ou fraco. Pelo contrário, os bons sentimentos são a nossa fortaleza, são eles que nos mantém ligados ao mundo, ao universo.
      Não perca a chance de demonstrar o seu sentimento àqueles que você ama. A hora é agora:  Eu te amo.

sábado, 14 de maio de 2011

O lugar que ocupamos no mundo.

     É muito comum passarmos a vida inteira (ou parte dela) lutando para conseguir alguma coisa que queremos bastante (pode ser posição social, emprego, formação cultural, amor, casamento ou qualquer outra coisa) e tão logo e arduamente conseguimos passamos a ter uma série de questionamentos: "Será que eu merecia tudo isso?" "Será que eu não estou tomando o lugar de alguém?" Poderia listar aqui um monte de perguntas que passamos a nos fazer. Passamos a agir como se conseguir as coisas num mundo onde, não raro, as pessoas costumam ficar de braços cruzados esperando que tudo lhes caia do céu, fosse pecado.
     Parece absurdo, mas é exatamente assim que querem que nos sintamos: culpados. Transformam as nossas lutas, nossa busca pelo conhecimento, nossa força para enfrentar as adversidades, nossa capacidade de se reinventar, nossos objetivos de melhorar de vida apenas como se fossem coisas de gente ambiciosa, que não aceita as suas limitações e que quer ocupar um lugar que não é seu.
     Não acredite nisso. Você tem o direito (e o dever) de sempre querer o melhor. Mais do que isso, temos que nos convencer que somos criados por Deus e que Ele preparou um caminho para nós nesse mundo que só nós podemos trilhar, mais ninguém. Sendo assim, não precisamos ter dúvidas quanto ao lugar que ocupamos, seja ele qual for. Nunca estamos ocupando o lugar de ninguém, ainda que isso possa parecer. 
    Não dê ouvidos à pessoas que, por não terem coragem de ir à luta, vêem qualquer iniciativa alheia de sair da inércia como uma provocação. E essas pessoas estão sempre por perto para nos lembrarem que estamos sonhando demais, querendo demais, enfim, elas querem que você desista de lutar, que você faça parte do time daqueles que não têm coragem de sair da caverna por medo do que vão encontrar do lado de fora.
     É claro que não é fácil se tornar uma pessoa corajosa e destemida da noite para o dia, pois somos condicionados para agir forma contrária. Na maioria das vezes somos convencidos a permanecer do jeito que estamos. Há quem diga que não se deve mexer em time que está ganhando. Pode até ser que isso funcione no mundo do futebol, mas na vida devemos estar sempre procurando nos desafiar, dar um passo à frente, descobrir e aprender coisas novas. É preciso estar constantemente reagindo contra o comodismo que impera em nossa volta, contra a nossa falta de fé.
     Portanto, se você está ocupando o primeiro lugar é porque esse lugar é seu. Você lutou, fez por merecer, conquistou e é isso que importa, não é? Caso você ainda esteja no caminho para chegar até esse sonhado posto, não desista de sua luta. Cada dia é um novo começar, uma nova chance que nos é dada. Só precisamos estar alerta e não perder nossos objetivos de vista. O resto é apenas papo de quem não tem coragem de ir à luta.

Boa sorte!

sábado, 7 de maio de 2011

Mandar sem ferir

     Acredito que quase todo mundo sonha em um dia estar à frente de alguma coisa, no comando, tomando decisões. Parece sempre muito bom quando nos imaginamos nessas situações, não? E isso não se dá apenas no âmbito profissional onde a luta por um cargo de chefia pode ter desdobramentos inimagináveis. Em praticamente tudo na vida de qualquer um, em determinado momento, alguém tem que estar  à frente organizando tudo, mostrando o caminho a seguir. Não porque as pessoas não tenham capacidade de agirem sozinhas, mas pelo fato de que para se agir em grupo é preciso que haja um objetivo comum, não é mesmo? Caso contrário, teremos cada um fazendo aquilo que acha melhor, mas que não condiz com o senso comum.
     Portanto, não podemos negar que uma pessoa no comando é sempre necessário ou até imprescindível. Só que, não raro, essa pessoa acaba por ter muitos problemas no exercício desse comando. Algumas pessoas se revelam autoritárias demais, outras se mostram fracas e confusas e poucos são aquelas que conseguem exercer seu trabalho sem criar inimigos ferrenhos ou até mesmo os famosos bajuladores. Definitivamente, mandar não é uma tarefa fácil. Mandar com doçura, sem gerar raiva, ciúme, inveja, descontentamento é tarefa quase impossível.
     É comum as pessoas confundirem autoridade com autoritarismo. Ao se virem em postos de comando, algumas pessoas acabam revelando um caráter duro, inflexível, do tipo que não ouve opiniões dos outros e passam a agir como verdadeiros donos da verdade. Só vale aquilo que eles pensam e não admitem serem contrariados. Isso termina por gerar situações desagradáveis sem proveito para ninguém.
     Um cargo de chefia pode ser um grande salto na vida de uma pessoa, como também pode ser a sua queda. Ao se vir exposta uma pessoa tanto pode revelar suas grandezas, seus talentos, mas também pode deixar transparecer suas fraquezas, suas inseguranças, medos e mesmo um caráter pouco admirável. Por isso, precisamos ter muito cuidado quando somos colocados (ou nos colocamos) em posição de comando. O risco é muito grande. Ascensão e queda andam sempre juntas. Não se pode vacilar.
     Outra coisa que não se pode esquecer é a má vontade que as pessoas geralmente têm com os chefes e afins. Eles normalmente são vistos como verdadeiros diabos,  ditadores, seres que agem sem nenhuma piedade para com os seus comandados e que estão sempre prontos a tirar o seu sangue até a última gota. Exageros à parte, podemos admitir que esse tipo até exista, porém tem-se que levar em conta que ninguém gosta daqueles que mandam. Muitas vezes é essa má vontade que leva muitos chefes a mostrarem suas garras afiadas. Seria, grosso modo, uma forma de proteção.
      Sem dúvida, é preciso ter humildade tanto para ser comandado quanto para comandar. Os lados da moeda são difíceis de encarar. Para facilitar as coisas, basta que nos coloquemos nas duas posições. Dessa maneira poderemos entender aquele manda e o que é mandado. Como gostaríamos que agissem se estivéssemos nessa ou naquela situação? A resposta deve nos levar a ação.