Pesquisar este blog

sábado, 2 de abril de 2011

Ninguém é coitadinho.

     Podemos dizer que há momentos em que  o nosso mundo cai, literalmente. São aquelas situações em que nos acontecem coisas desagradáveis tais como doenças, separações, falta de dinheiro, desemprego, perda de algum ente querido e por aí vai. Nesses momentos sentimos como se o chão faltasse de debaixo de nossos pés. A coisa é difícil e muitos acabam não suportando o peso dos acontecimento e verdadeiramente sucumbem, ou seja, caem. Ficam estatelados no chão.
     Alguns reagem e logo voltam ao prumo de novo, superando aqueles momentos difíceis e, o que é melhor, tentam tirar uma lição da experiência vivida numa tentativa de aprender com a vida. Sem ficar lamentando, culpando-se ou culpando os outros pelo que lhe aconteceu e buscando saber aonde foi que errou para tentar não mais ser vítima daquele revés. Quando isso é possível, claro. Até porque, nem tudo o que nos acontece, seja de bom ou de ruim, depende unicamente de nós.
     Já outras pessoas (e talvez elas sejam maioria) reagem exatamente ao contrário. Ficam "caídas no chão" chorando e lamentando o que lhes aconteceu, procurando culpados ou culpando-se, sentindo-se verdadeiras desgraçadas, negando-se a levantar e seguir em frente, agindo como crianças birrentas e morrendo de pena de si mesmas.
     Isso é mesmo uma pena, pois perdemos muito tempo de nossas vidas agindo assim. Ao invés de tentar aprender com as nossas quedas, problemas e erros, como fazem os inteligentes, preferimos ficar "caídos a beira do caminho" negando a dar o passo seguinte que pode nos levar a uma clareira onde veremos uma nova paisagem.
     Está bem, eu sei que você vai dizer que estou floreando. A vida não é bem assim. Concordo plenamente. A vida não é assim mesmo. Tudo é muito difícil. Mas quem disse que era fácil?  Se acaso alguém disse isso, mentiu. E mentiu descaradamente. Só que não nascemos para viver o tempo inteiro buscando facilidades. A vida fica melhor quando enfrentamos e vencemos alguns desafios, não é mesmo? Você conhece algum maratonista que ficou triste ao vencer uma maratona?
     A vitória, seja em que nível for, nos traz uma sensação muito boa. É quando descobrimos que todos aqueles momentos difíceis que vivemos valeram a pena, que o nosso esforço foi recompensado. E o que é mais importante, ficamos mais confiantes e orgulhosos de nós mesmos. Acreditamos mais em nossa força, passamos a ser nosso maior incentivador. Descobrimos que não somos, nem éramos nenhum coitadinho(a). Temos uma força dentro de nós que nos impulsiona. Use essa força.
     Portanto, não se sinta e nem deixe que façam com que você se sinta um coitadinho ou coitadinha. Não tenha pena de você e nem permita que sintam. Ninguém é coitadinho.