Pesquisar este blog

domingo, 31 de agosto de 2014

"Direito divino".

     Os mais velhos costumam dizer algo mais ou menos parecido com: o que é da onça o lobo não come. Traduzindo, isso quer dizer que há coisas que são nossas e que mesmo que elas nos sejam negadas, acabam vindo parar em nossas mãos porque são nossas por "direito divino". e, portanto, ninguém nos pode tirar.
    Mas por que eu estou falando disso? É para, mais uma vez, falar do que aconteceu com ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. Ela, pela segunda vez, tentou ser candidata à presidência da república e isso lhe foi negado através da impossibilidade do registro do partido que ela pretendia criar.
    No entanto, como, parece, este era o seu destino natural, ela acabou candidata depois do trágico acidente que vitimou seu colega de chapa Eduardo Campos. Uma visão apressada, pode achar que  é muito macabro, estranho, e até repulsivo uma pessoa precisar que a outra morra para que a vida lhe faça justiça e lhe dê aquilo que é de direito.
    Porém, basta que recorremos a outro dito:'"Deus escreve certo por linhas tortas". Os desígnios de Deus, e a Bíblia não nos deixa mentir, não seguem a  lógica humana. Por exemplo, Esaú era o filho, digamos, certinho, mas foi Jacó, o nem tão certinho assim, o escolhido.
    Não endosso assim essa visão "messiânica" de Marina silva e acho isso não significa que ela será eleita presidente. Isso é outro assunto. O que quero dizer aqui é que uma vez que nós de alguma forma adquirimos o direito à alguma coisa, de nada adianta que trabalhem contra. A vontade de Deus é soberana.
    E isso vale para tudo em nossas vidas. Ninguém  nos tira nem nos dá nada que não seja com a permissão do Criador. O que é nosso sempre vem parar em nossas mãos, seja pelo caminho que for e enfrentando as barreiras que enfrentar. Para isso, basta ter fé.
    No mais, é torcer para que os nossos desejos e aspirações sejam os mesmos desejos e aspirações que Deus tem para nós.

Bom domingo.

domingo, 24 de agosto de 2014

A divina providência.

     Em parte devido à uma frase que teria sido proferida pela, agora,  candidata à presidência da república nas próximas eleições, Marina  Silva, muito se falou nos últimos dias em "divina providência". Até aí nada de mais. Afinal de contas, é muito bom saber que temos uma força maior cuidando de nós e nos livrando dos percalços da vida, não é mesmo?
     Marina   Silva mostrou-se  sentir uma privilegiada por ter sido poupada do trágico acidente que pós fim à vida do candidato Eduardo Campos e seis outras pessoas. Mais uma digo que isso nada tem de mais. A vida é mesmo para ser comemorada.
     Só que isso acaba soando estranho. E aí vem um monte de perguntas: que divina providência é essa que poupa uns e não os outros? A mesma "divina providência" não  poderia ter agido de forma igual com os outros ocupantes do avião?
     Sim e não. A vida não é tão simples quanto pode parecer. Nem a morte é essa coisa terrível que nos faz sentir afortunados por ter-se livrado dela.  A fala da candidata está carregada de ignorância e grosseria. Porque é preciso acreditar que Deus, ou a divina providência, aja de maneira tão cruel com uns e livra outros do mesmo fim.
     Ao mesmo tempo é preciso pensar nos familiares das vítimas e pensar o quanto é difícil para eles ouviram ou verem alguém comemorar o fato de não ter entrado num avião ou estado no local de uma tragédia que em que perderam seus entes queridos. No caso, eles podiam dizer que a "divina providência" deixara seus parentes "na mão".
     Não existe privilegiados ou não. O que existe é que alguns precisam passar por determinados caminhos num certo momento e outros não. Cada um de nós tem a sua história. Às vezes essa história segue por linhas diferentes. Enquanto alguns encerram sua caminhada, outros ainda precisam seguir por mais algum tempo.
     Não há privilégio em continuar no mundo ou em sair dele. O único privilégio que existe é que todos somos filhos de Deus e que Ele nos protege a todos. Mesmo quando pensamos que fomos abandonados à nossa própria sorte.

Bom domingo.

domingo, 17 de agosto de 2014

A difícil arte de agradar a todos.

     É claro que saber que as pessoas gostam de mim é muito importante. Quem não se sente feliz em ser querido por todos, não é? Porém, nem sempre é possível  agradar a todo mundo. Dizem por aí que nem Deus agrada a todo mundo e seria uma grande pretensão da minha parte querer conseguir uma coisa que, acredita-se, nem o Criador consegue.
     Mesmo assim, ficamos muitos incomodados quando alguém resolve deixar claro que não vai como a nossa cara, não é mesmo? Vira e mexe e lá está a pessoa fazendo questão de mostrar o quanto nos detesta, o quanto ficaria feliz com a nossa ausência, com o nosso insucesso e até, em muitos casos, com a nossa morte. Quer nos ver evaporar desse planeta, pois julgam que só assim seriam completamente felizes.
     É óbvio que isso é uma grande mentira. Uma pessoa que perde o seu precioso tempo e a sua energia odiando e desejando a morte de outros não é para ser levada a sério. Além do mais, pense comigo, geralmente essas pessoas não endereçam as suas antipatias à apenas uma pessoa, elas odeiam e detestam aos montes.
     Portanto, se você descobriu que é desgostado por alguém, não se incomode. Essa pessoa, com certeza, detesta tudo e todos. Você é apenas mais um(a) nessa imensa lista. O que acaba, de certa forma, deixando de ser um problema, não é?
     Reze por essa alma sofredora. Ela precisa de oração, de harmonização astral.. Não entre caia na besteira de devolver na mesma moeda. É perda de tempo e energia e também é grande atraso espiritual. E sempre que possível, afaste-se dela. O mundo não tão pequeno assim, não é?
 
Boa sorte!

sábado, 9 de agosto de 2014

Você é comprometido (a) ?

     Não precisa se espantar.  Calma. Esta não é uma cantada.  Nem eu estou querendo saber se você ou não numa relação estável no momento. O que eu estou querendo saber passa muito longe disso. É se você é uma pessoa comprometida com algum tipo de ideologia ou se é uma pessoa livre de amarras.
    Parece papo de louco, mas não é. Cada vez mais as pessoas estão aderindo a esse ou aquele movimento em nome de uma participação maior na vida social, política ou cultural de onde vive. Falando assim, parece algo bastante bem-vindo, não é? Poderia ser, se esse engajamento fosse mais consciente e não estreitasse tanto a visão das pessoas e as levasse a viver segregadas em guetos onde só são aceitos aqueles que pensam da mesma maneira.
   Muita gente ao aderir a determinada corrente de pensamento ou modo de vida, passa a desconsiderar qualquer outra visão tornando-se intolerante aos que vivem e pensam de maneira diferente. É  a isso que eu chamo de ser "comprometido(a)". Fato que vem se tornando cada vez mais comum em nossa sociedade e acontece em diversos setores: na religião, na politica, no sexo etc.
    Cada vez mais as pessoas têm se agrupado acreditando assim estarem mais fortes e protegidas. Tudo bem. a união faz a força, alguém já disse. Mas não podemos agir acreditando que vivemos num mundo em que as pessoas devam viver em trincheiras atacando umas as outras com  vemos na política: de um lado petistas e do ouro psdbistas. Os petistas achando que tudo vai bem e os psdebistas achando que tudo vai mal e que só eles podem consertar.
    Nas nossas vidas isso também ocorre. Somos comprometidos a partir do momento em que deixamos de ter uma visão das coisas livre de amarras e aceitamos ter uma visão que não é nossa. Pensamos com os outros, seguimos essa ou aquela tendência até mesmo por comodismo ou preguiça de pensar.
     Eu vejo esse tipo coisa toda vez que peço uma opinião sincera sobre algum assunto. As pessoas  não se sentem muito à vontade para expressar seu real pensamento. Todo mundo morre de medo de falar algo que não esteja dentro de uma corrente, de um modo de pensar. digamos, conhecido e aceito.
     Será isso uma herança desse tal de "pensamento politicamente correto"? Essa máscara que se criou e que todos vestem para não sair mal na foto. Isso, no mínimo, nos deixa todos com cara de produtos em série. Ficamos todos com a mesma cara e o mesmo conteúdo. Somos comprometidos com as mesmas causas, os mesmos ideais sem que consigamos pensar no alcance de tudo isso.
E isso é bom? Tenho a leve impressão que não. Comprometimento sim, mas com as coisas nas quais acreditamos de verdade e que nascem do nosso íntimo. Não como "vaquinhas de presépio.".

Bom domingo!

sábado, 2 de agosto de 2014

Pessoas dominadoras.

     Alguém já disse que ninguém é uma folha de papel em branco. Por mais que julguemos que nada aconteça em nossas vidas, está sempre acontecendo alguma coisa. Ninguém aqui está falando essas coisas são importantes ou não. Não se trata disso.
     Todos, tão logo nascemos, e mesmo antes disso, passamos a protagonizar nossa própria história e o ponto final só é colocado, se é que é colocado, quando morremos. E até mesmo esse ato tão temido pela maioria é protagonizado por cada um. 
     Como dizem os filósofos, e os não filósofos também, ninguém pode viver e amar por você, sua vida só você a vive. O mesmo pode se aplicar à morte, ao sofrimento, à alegria, ao prazer e vai por aí.
     Por aí também está indo o nosso post. Não era esse o caminho que eu estava pretendendo. O que quero é falar de uma coisa que acontece com alguma constância por onde quer que a gente passe. Há  muita gente que esquece disso e acha que pode viver as vidas dos outros.
    São pais, namorados, maridos, mulheres, amigos que entram na vida de determinadas pessoas para decidir para onde elas vão, o que pensam, o que devem comer, vestir, pensar. É claro que isso, em muitos casos, acontece com a permissão da outra pessoa. O que é lamentável, pois é triste ver alguém se negar a protagonizar a sua própria história e passar esse posto para outra pessoa, passando a viver na condição de simples boneco.
     No entanto, há os casos em que isso acontece sem que a pessoa possa fazer qualquer coisa para evitar, seja porque ela não percebe ou porque se sente enredada de tal forma que tem que se submeter.
    Nesses casos, é preciso buscar a ajuda ou livrar-se o quanto antes desse domínio. Ter esse tipo de pessoa por perto não pode ser bom para ninguém. Mesmo para aqueles que gostam de ter alguém pensando e vivendo em seus lugares. Uma hora dessas a pessoa pode ficar sozinha e na falta da muleta pode não conseguir ficar de pé.
   Voar se aprende voando, andar se aprende andando. E de preferência com as próprias pernas.