Pesquisar este blog

domingo, 1 de junho de 2008

Um livro com o mesmo título

Nos últimos dias tenho tido um motivo a mais de tristeza. É que fiquei sabendo, pela imprensa, do lançamento de um livro chamado " No olho da rua" , mesmo nome do livro que lancei em 1999 e que já falei aqui no blog. Até aí, nada demais. Apenas um livro com o mesmo título. Nâo fosse o fato de eu ter conhecido o autor do livro (Marcelo Antônio da Cunha) que me foi apresentado por duas amigas e que se mostrou interessado em conhecer o meu livro, fato que ocorreu quando uma dessas amigas emprestou o meu livro para ele. Marcelo, até onde eu sei, leu o livro e se interessou chegando a propor, num encontro casual, que nos encontrássemos para falar sobre o assunto. O encontro nunca aconteceu e agora vejo que ele fez uso do título de livro em questão para contar um história muito parecida, para não dizer igual. As duas história tem como cenário unidades da Fundação Leão XIII e trata da difícil vida que levam os excluídos da socidade. No meu caso, não conto histórias vividas por outras pessoas e sim a minha própria história. Estive "no olho da rua" e de lá saí pelo meu próprio esforço e luta pessoal contra um destino que, para muitos, é fatal. Não quero briga com ninguém. Muito pelo contrário. Minhas "brigas" são outras. Prefiro ir para "front" através do meu trabalho espiritual e o trabalho de distribuição da sopa às quartas-feiras. Momento em que, muitas vezes, reencontro para minha tristeza antigos "colegas" moradores de rua do tempo em que vivi a mesma situação. Graças a Deus, agora estou do outro lado. Muitos não tem a mesma sorte. Sei que esse trabalho é muito criticado. É a velha história de que todo morador de rua é um vagabundo. Mas, acredite, um simples pote de sopa faz muita de diferença na vida de um necessitado. Muitos são tomados de alegria quando nos vêem chegando. Alegria que eu já senti quando recebi ajuda de uma alma boa. Por isso, acho que há muito trabalho a ser feito e espero que o senhor Marcelo seja mais um que venha somar aos que não acham nada natural crianças, adultos, velhos, homens, mulheres, famílias inteiras viverem no meio da rua e todos fingirem que nada está acontecendo. Temos mesmo que contar essas histórias, mas também temos que lutar para mudá-las. No meio de tudo isso, talvez minha tristeza seja um pouco de "inveja" por ver o espaço que a imprensa( como na coluna do Mauro Ventura, da revista deste domingo 01/06/2008) tem dado ao livro do Marcelo. Afinal, ele é um médico e eu apenas um ex-mendigo. Mas a vida continua.