Pesquisar este blog

domingo, 31 de janeiro de 2016

Humildade em tempos de ostentação.

Quase todas as religiões, acredito, pregam a humildade como forma de proximidade com o divino. Devemos ser humildade em tudo o que fazemos, na forma que vivemos, nos relacionamos com os outros e, principalmente, quando nos dirigimos ao ser superior. Acho que vem daí o fato de, dentro dos templos, nos inclinarmos e ajoelharmos para fazer as nossas orações Forma exterior, é verdade, mas que prova o quanto nos consideramos menores diante da grandeza de Deus.  

Essa prática religiosa ou estilo de vida está em franca decadência em nossos dias. Foi-se o tempo em que as pessoas admiravam alguém por sua humildade, simplicidade e até por sua capacidade de se colocar no lugar do outro sobretudo nos momentos de infortúnio e dor. 

Nesses nossos tempos, uma pessoa que age dessa maneira é considerada fraca e fora de moda. Vivemos em tempo de ostentação. Você vale pelo que aparenta ser ou ter. Não importa que você crie um personagem completamente falso para apresentar para as pessoas e que na, digamos, vida real seja uma pessoa completamente diferente.

Mais que ser e ter, vivemos tempos do parecer. Não importa que você não seja rico, tenha uma bela casa, dinheiro no banco. O que conta é que você está sempre nos lugares da moda, vestindo as melhores roupas, usando os melhores perfumes, saindo de dentro dos melhores carros ao lado daqueles que igualmente aparentem tudo isso.

Ah!, não se esquece de registrar tudo isso em seffies, fotos e vídeos para postar em todas as redes sociais que existem. Afinal de contas, todo esse circo não teria nenhuma serventia se as pessoas (seus seguidores e não seguidores também) não tomarem conhecimento. 

Tem igreja que se diz cristã pregando isso com o rótulo de igreja da prosperidade. Vá lá que não exista nada de mais em querer prosperar. Estamos no mundo para melhorar tanto espiritual quanto economicamente. Porém, acho que o nome disso é ostentação, falta de humildade, exibicionismo.

Infelizmente, chegamos a esse ponto. Tempos em que os humildades já não têm o reino do céu. Pelo menos, esse "céu" aqui da terra.

Bom domingo.