Pesquisar este blog

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Encontros felizes.

     Eu gosto muito de assistir e ler entrevistas. Não que eu seja um simples curioso da vida dos outros. E´que gosto muito de saber como as pessoas construíram e constroem suas vidas, como foi o caminho delas até ali, se venceram sozinhas, se tiveram a ajuda de outras pessoas, enfim, como alcançaram o sucesso. Além disso, tem a questão do exemplo, as dicas, a lição de vida.
     E não pense que só as entrevistas com os bambambans da vida me interessem. Pelo contrário. Todo mundo tem sempre muita coisa para ensinar, histórias interessantes para contar. Isso sem falar que em entrevistas as pessoas não contam somente as coisas boas que lhes aconteceram, contam também suas mancadas, seus deslizes, o número de vezes que tentaram e falharam, que quase desistiram, que se não fosse isso ou aquilo elas não estariam onde estão.  Coisas que a gente precisa saber para não pensar que tudo cai do céu, que os vencedores sempre encontram muitas facilidades na vida.
      E isso não é simples fofoca, é aprendizado. Através de uma entrevista ficamos sabendo o quanto somos todos parecidos, o quanto passamos pelas mesmas dúvidas, as mesmas inseguranças, os mesmos enganos.
Mais do que isso, fica a certeza de que muito raramente alguém vence sozinho. Sempre tem aquela pessoa que surgiu no seu caminho e deu aquela dica, aquela força, aquele suporte tão necessário, aquela palavra amiga que fez tanta diferença. E a isso, eu dou o nome de "encontros felizes".
      Se, por acaso, você também tem esse hábito de ler ou assistir a entrevistas, de ouvir relatos de vida deve ter reparado que a maioria teve um desses "encontros felizes" a quem elas atribuem grande parte do seu triunfo. Essa pessoa, geralmente, é alguém simples, mas dona de uma generosidade capaz de levar o outro ao caminho do sucesso, da paz, do amor, ao caminho do encontro com as realizações que tanto buscamos na vida.
      E eu acho que  tudo o que devemos desejar é ter um desses encontros. De repente a gente até já teve e não se deu conta disso. Essa pessoa esteve lá, nos apontou o caminho e nós, cegos, não enxergamos, não nos demos conta. Por isso, é preciso estar vigilante: alguém pode estar tentando fazer com que trilhemos o caminho das realizações e nós estamos nos negando a perceber.
     Isso acostuma acontecer porque é comum a gente criar falsas expectativas que nos levam a não dar importância para o que verdadeiramente vale à pena. Às vezes essa pessoa não vem vestida a caráter e sim em vestes simples e maltrapilhas, o que pode nos confundir.
     O importante é estar atento e saber identificar quando esses "encontros felizes" acontecem. Depois, é só não esquecer de falar deles quando for contar a sua história.