Pesquisar este blog

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Sopa das quartas-feiras no Largo do Machado








Desde de 12 de maio de 2004 , um grupo de pessoas se reúnem para fazer e distribuir sopa no Largo do Machado, no Rio de Janeiro. No início era um grupo de 22 pessoas, mas algumas foram desistindo (não é fácil fazer esse tipo de trabalho) e agora somos mais ou menos 10 pessoas. O nosso trabalho tem como objetivo atender às pessoas que vivem nas ruas, os chamados mendigos, que prefiro chamar de morador de rua. Não que isso faça alguma diferença. Na verdade não passa de eufemismo, mas a palavra traz também o significado de vagabundo e muitos moradores de rua são trabalhadores que, por uma razão ou outra, chegaram a essa situação. A sopa é servida toda quarta-feira no Largo do Machado, no Flamengo, Rio de Janeiro, por voltas das nove horas da noite. Nesse horário, uma turma já está esperando por nós. No início ficávamos restritos ao Largo do Machado e adjacências, mas com o tempo fomos nos dirigindo a outros locais e agora a sopa é servida também em vários pontos do centro da cidade. Servimos cerca de 110 ( cento e dez ) potes de sopa e pão, além da colher. Todo o material usado é descartável. Servimos também água mineral, distribuída em copos.

terça-feira, 27 de maio de 2008

No olho da rua

Em 1999, depois de muita luta, consegui editar o meu livro, No olho da rua, onde narro as experiências que vivi como desempregado nas ruas do Rio de Janeiro. O título do livro diz bem a situação em que me encontrava naquele momento. Eu cheguei aqui no Rio de Janeiro, vindo de Minas Gerais, em meados de Julho de 1989 em busca de um sonho. Eu sou ator e sempre acreditei que se vivesse para o Rio de Janeiro conseguiria entrar para o fechado grupo de atores de televisão e teatro. Não preciso dizer que o sonho virou pesadelo, não é? Pois é. Nada consegui como ator e logo o pouco dinheiro que eu tinha acabou. Resultado: estava no "olho da rua", literalmente. Para não me perder de vez nas ruas da cidade, acabei indo procurar ajuda na Fundação Leão XIII, aquela que costuma recolher mendigos pelas ruas da cidade e que eles correm, se escondem , brigam e esperneiam para não ir para lá. Acredite se quiser; eu fui para lá com as minhas próprias pernas, meio sem saber o que ia encontrar pela frente. Confesso que tinha uma visão um tanto romântica da instituição e creditava que ia ser bem recebido, ser bem tratado e etcetera. Não foi bem assim que as coisas aconteceram. O que vi pela frente foi estarrecedor. Já na entrada da instituição, o que se via era muita gente pelo chão, encostada, sentada, caída. O retrato do caus. Porém, eu não tinha escolha. Era ali ou a rua. Resolvi enfrentar o leão, ou seja, a Fundação Leão XIII. Assim me tornei mais um interno da Fundação Leão XIII. Eu jamais poderia imaginar que a partir daquele momento eu iria mergulhar num mundo para muitos sem volta. Pois a Fundação Leão XIII não consegue ajudar àqueles que batem à sua porta para pedir ajuda ou aqueles os quais ela recolhe pelas ruas da cidade.. Tudo o que a instituição faz é recolher e amontoar as pessoas em seus galpões-dormitórios, sem nenhuma política forte para reinserir esses indivíduos no mercado de trabalho ou na sociedade. Qualquer indivíduo que passe pela instituição acaba entrando num processo de degradação cujo o fim é tornar-se definitivamente um mendigo. Não tem saída. Poucos escapam a esse destino. A maioria dos mendigos que se vê perambulando pelas ruas da cidade, dormindo debaixo de marquises, morando em buracos ou debaixo de pontes e viadutos têm várias passagens não só pela Leão XIII como por todas as instituições ligadas ao serviço social. É um círculo vicioso. Dificilmente uma instituição consegue efetivamente ajudar o indivíduo que apenas alterna algum tempo na rua e outro albergado. Falo isso, porque vivi essa situação e consegui escapar desse destino.

O primeiro dia

Nesse meu primeiro dia de blogueiro gostaria apenas de dizer que pretendo usar esse espaço para divulgar o meu livro "No olho da rua ", editado em 1999. Quero também falar falar sobre o trabalho social que desenvolvo com alguns amigos.
Um abraço.
Rio, 27 de maio de 2008.