Pesquisar este blog

sábado, 26 de janeiro de 2013

Pequenos detalhes.

    

     Um amigo me fez uma pergunta aparentemente simples, ms que me deixou bastante intrigado. Ele    queria saber como é que faço para manter a minha fé mesmo com todos os problemas que a vida apresenta. 
     Pensei muito numa resposta e cheguei a conclusão de que não existe fórmula para isso, que o jeito é a gente não dar muita bola para os infortúnios e seguir vivendo. É claro que ele não ficou satisfeito, queria uma resposta concreta. Afinal de contas ele estava passando por momentos difíceis e andava cheio de questões e em busca de soluções e por isso a minha resposta soou vazia aos seus ouvidos.
     Talvez essa a seja a grande questão das nossas vidas: quando nos deparamos com uma situação que não tem solução imediata ficamos querendo resolver tudo logo e perdemos a paciência até para ouvir o que o outro tem a nos dizer.  E  com isso perdemos a oportunidade de aprender com aquela experiência. Nenhum problema surge por acaso. Pode ser a vida tentando nos ensinar alguma coisa. 
      Porém, qual nada, não damos atenção para esse tipo de papo. Achamos tudo isso uma grande enganação e chegamos a ficar cegos diante do problema.  Tudo o que nos interessa é sair daquela situação. O resto é puro detalhe sem importância, conversa fiada.
     Pois é aí que muitas vezes pode estar a solução ou a saída  para se resolver a coisa. Podemos na verdade estar fazendo tudo certo e não nos atentando a um simples detalhe que faz com que todo o resto se perca,  fazendo com que a gente se veja em apuros.
     E não é que era este o caso do meu amigo João? Ele estava esquecendo dos detalhes, dando importância apenas ao que parecia grande aos seus olhos. Foi só consertar aquela pequena falha e tudo se acertou e sua vida voltou aos trilhos.
     Ninguém está livre de enfrentar grandes problemas e eles existem aos montes por aí. Mas também não se pode negar que muitas vezes superdimensionamos os nossos problemas e o que era simples de resolver se torna um verdadeiro "cavalo de batalha".
    Botar a mão na cabeça e se desesperar pode render uma boa cena no teatro, no cinema ou na televisão, mas na vida real não tem muita serventia. Só serve mesmo é para nos fazer ficar mais tempo presos a uma situação que com cabeça fria e uma boa dose de fé na vida tudo se resolveria mais facilmente.

Bom domingo.