Pesquisar este blog

sábado, 20 de novembro de 2010

Nosso legado.

     Sei que parece conversa de velho isso de ficar falando sobre o que se deve ou não deixar para as próximas gerações. Muitos encaram isso como uma forma de amealhar fortunas para que seus pimpolhos não tenham problemas e vivam uma vida tranquila no futuro. Tenho lá minhas dúvidas se isso é ou não válido. Mas deixemos isso para lá e vamos tratar de outra herança: o planeta. Querendo ou não teremos que deixar esse mundo para ser habitado pelas gerações que virão depois de nós, isso é um fato. Não há como mudar isso. Recebemos esse planeta quando nascemos e teremos que devolvê-lo quando partirmos. E, se possível, em boas condições de uso.
     Nos últimos anos (e cada vez de forma mais intensa) tem se falado da sobrevivência do planeta terra. Muitas pesquisas são feitas e os resultados não nada animadores: o planeta terra pede socorro. A humanidade precisa se conscientizar  de que é urgente uma mudança de atitude em relação à casa em que vivemos. Caso contrário esse planeta ficará insuportável e nossa vida aqui muito difícil. Muitos alertas são feitos. Reportagens são feitas mostrando a degradação do planeta, mas parece que ninguém (ou quase ninguém) está se importando com isso. Indiferente a qualquer apelo, as pessoas continuam vivendo como se nada tivesse acontecendo e continuam jogando lixo nas ruas, desmatando florestas, poluindo o ar, córregos, lagoas, rios, mares, insensíveis aos apelos das organizações que cuidam do meio ambiente, dos governos e até de populares.
     Uma dessas últimos campanhas é da sacola do supermercado. Uma bela oportunidade de voltarmos a levar as sacolas de casa e com isso livrar o solo desse poluente agressivo que é o plástico. Porém, salvo honrosas exceções, as pessoas não estão dando a devida importância e os supermercados continuam distribuindo sacolas plásticas à vontade num flagrante desrespeito a uma iniciativa tão boa. Mais uma vez o povo está deixando de dar a sua, ainda que humilde, colaboração.
     É preciso que tomemos a sério esses alertas e passemos a fazer, de forma consciente, o nosso papel na preservação do nosso planeta. E isso é muito simples. Basta que nos engajemos nas campanhas que são feitas, que não sujemos tanto as ruas, as matas, as praias, que não produzamos tanto lixo sem se importar com o destino que ele terá. A partir do momento em que tomarmos essa responsabilidade para nós, estaremos deixando para aqueles que virão depois de nós a melhor herança que alguém pode deixar. Não os milhões, as propriedades, mas um planeta plenamente habitável.

Salve o planeta terra!