Pesquisar este blog

sábado, 11 de outubro de 2014

Escalas de preconceito.

     Com tantas histórias de preconceito espocando aqui e ali não dá para ficar alheio. O fenômeno parece não ser passageiro. As pessoas resolveram mesmo sair do armário. É isso mesmo. O tal armário onde se esconderiam os gays não assumidos esconde também muitas outras coisas. Entre elas estão os preconceituosos.
     Está por um fio aquela velha lorota que diz que brasileiro não é preconceituoso. Acreditar quem há de? A cada dia surgem provas de que somos sim um povo preconceituoso só que não admitimos para os outros e, talvez, nem para nós mesmos. No entanto, basta uma oportunidade e o preconceito mostra a sua face.
    Quando não tem uma câmera de televisão ou vídeo para registrar, fica o dito pelo não dito. Porém, quando é documentado... Nesse caso, o agressor se faz de vítima e argumenta que não disse nada de mais e afirma que não tem preconceito.
      No caso da torcedora, parece-me que ela chegou a dizer que a prova dela não ter preconceitos é o fato de que tem amigos negros. Essa fala é bem mais preconceituosa do que chamar alguém de macaco, gorila ou o que seja. Ela releva o quanto uma pessoa pode se achar superior. Ter amigos negros para essa torcedora significa, a meu ver, o quanto ela é boa e generosa. Através de sua fala, ela expressa que, por ser branca, nem precisaria se dar ao trabalho de conviver com negros. Quer mais preconceito que isso?
     Por outro lado, não estou aqui para julgar ninguém. Acredito apenas que a cada dia estamos nos tornando mais intolerantes ao outro e quanto mais pensamos que estamos progredindo o que acontece, de fato, é o contrário.
     Leis podem regular as nossas ações, mas não podem fazer o mesmo com os nossos sentimentos, as nossas paixões. Eles estão arraigados em nós, prontos para saltar fora a qualquer momento. Foi o caso do estádio de futebol, onde parece que as pessoas vão para deixar seu lado animal mais à vontade.
     Agora, tem o caso da miss que está sendo agredida por ser nordestina e mais o preconceito contra a escolha dos mesmos nordestinos no pleito eleitoral. Aonde vamos parar? Negros, gays, nordestinos, mulheres,  pobres, religiosos, deficientes físicos, deficientes mentais são as vítimas mais constantes. E com o advento da internet os preconceituosos e intolerantes encontraram um campo livre para mostrar a cara.

Deus nos proteja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário