Pesquisar este blog

sábado, 8 de setembro de 2012

"Vote que eu garanto".

     Como acontece à cada dois anos, elas estão de volta. As ruas estão cheias de cartazes, gente distribuindo "santinhos" e, apesar da boa tentativa de colocar uma certa ordem na bagunça, ainda se vê muito candidato cometendo infrações na busca do voto dos eleitores. Esses, pelo menos na minha opinião, parecem não estar muito interessado. E cá pra nós, com toda razão, não é?
     Tudo o que se vê, como sempre foi, aliás, é gente prometendo coisa que não vai cumprir, candidato buscando salientar os erros e defeitos de seus oponentes. Não para corrigir ou fazer melhor, mas apenas para ter um motivo para pedir voto. Fica patente que tudo não passa de simples e tacanha improvisação. Não dá para levar a sério.
     Pelo lado dos candidatos a vereadores, o que se tem é um bando de desconhecidos, saídos quase sempre sem que se saiba de onde, loucos para conseguir uma vaguinha, ou trocando em miúdos, um emprego muito bem remunerado, cheio de pompa e circunstância. Quem não quer uma boca dessas?
     Mas o caminho até lá não parece ser dos mais fáceis e tem aqueles que apelam para estratagemas ridículos e promessas estapafúrdias. Sei que você já está pronto(a) para dizer que sempre foi assim, que não tem outro jeito senão aturar toda essa bobozeira e que daqui a pouco tudo passa e ninguém vai mais se lembrar que na semana anterior teve a "obrigação" de ir até sua zona eleitora e participar da tal da eleição.
     E´ verdade. Também concordo. Dizem até que tem muito eleitor (a maioria) que logo após digitar seu voto na moderna ( embora eu ache um tanto feinha) urna eletrônica, já não se lembra mais da escolha que fez. Não sei se isso  acontece por complexo de culpa ou se é porque o(a) escolhido(a) nunca é alguém de quem realmente se possa lembrar. Tem gente que é mesmo muito fácil de ser esquecida. Acredito que candidatos políticos fazem parte desse grupo.
      Triste constatação. Além de triste, perigosa. Sim, porque é mesmo perigoso esquecer o nome da pessoa a quem a gente deu as chaves da nossa casa, não é? Sabendo que não vai ser lembrado ou reconhecido a turma aproveita e faz a festa. Mas não devemos perder as esperanças. Um dia, com a graça de Deus, isso muda. Tenho fé.
     Agora, o que tem me chamado mesmo a atenção nessas eleições municipais é algo também muito comum na política: o voto por encomenda, o voto recomendado. São políticos, artistas ( esses sempre metendo o bedelho onde não deviam) e outras personalidades. Eles chegam, apresentam um discurso elogiando determinada pessoa e, sem a menor cerimônia, fazem e pedido que vem acrescido de: "Vote que eu garanto". Garante exatamente o quê, caras pálidas? Não garantem coisa nenhuma.
     Eu não acredito que o povo caia nessa esparrela de votar em alguém que, por exemplo, o nosso digníssimo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, apresente. Não vejo eficácia nesse tipo de coisa. Jamais votei atendendo a pedido desse tipo. Pois quase sempre são palpites infelizes. Independente de onde venha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário