Pesquisar este blog

sábado, 25 de junho de 2016

Dois mil anos depois.

Resultado de imagem para imagem de multidão rezandoPassados mais de dois mil anos da vinda de Jesus ao mundo, a impressão que se tem é que tudo continua na mesma e que agimos como o povo daquele tempo. Se Jesus voltasse aqui hoje, encontraria os mesmos problemas, as mesmas picuinhas entre os homens e poderia, sem sombra de dúvida, repetir os mesmos ensinamentos correndo sério  risco de ser igualmente incompreendido.
Esse é um dado muito triste, pois revela nosso atraso e nossa resistência em abandonar antigos e nocivos hábitos que nos deixa muito aquém dos ideais do mestre. O que leva a crer que nem naquela época ( há dois mil anos) estávamos nem hoje estamos preparados para entender essa doutrina que prega o amor incondicional pelo outro, que nos leva a ver o outro como a nós mesmos.
Pelo contrário, a humanidade caminha a cada dia para o individualismo. Cada um quer tudo para si pouco importando com as necessidades e sentimentos dos outros. Erguemos cada vez mais muros visíveis e invisíveis que nos impedem de ver o mundo com outros olhos com a desculpa de que estamos apenas nos protegendo. 
Resta saber de quem estamos nos protegendo e por que temos que nos proteger tanto. Essa "proteção" arma barricadas contra o inimigo, mas nos isola de tudo e de todos impedindo-nos de aprender a amar e respeitar aqueles que são diferentes de nós ou tem interesses antagônicos.
Se amássemos mais uns aos outros e buscássemos ser justos em nossos julgamentos tudo ficaria muito mais fácil e o convívio no mundo chegaria bem perto do ideal de Cristo. Estaríamos, assim, livres de guerras, fome, miséria, abandono, corrupção e todos esses cancros que corroem tudo sem dó nem piedade impedindo a humanidade de dar um passo adiante.
É lamentável que passado tanto tempo ainda repitamos os mesmos padrões de comportamento, ainda estejamos no mesmo nível de evolução e sem perspectiva de que possamos mudar um dia. Ainda que esta mudança seja apenas  para não passar tanta vergonha numa possível volta de Jesus a este mundo.

Bom domingo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário